Bloco Destaque 2Bloco Principal 2

Entenda o que é o surrealismo e por que ele está mais relevante que nunca

De um trem a vapor saindo de uma lareira (“Tempo Transpassado”, de René Magritte) ou até as costas nuas de uma mulher transformada em violino (“O Violino de Ingres”, de Man Ray), a arte surrealista ainda tem o poder de intriga.

Este ano marca o 100º aniversário do movimento, mas a sua influência ainda ressoa em artistas de todo o mundo.

As origens do surrealismo estão no trauma coletivo da Primeira Guerra Mundial e na epidemia global de gripe de 1918. Convencido de que o mundo racional e masculino era o culpado por tais horrores, o fundador do grupo, o escritor francês André Breton, procurou uma alternativa “irracional” enraizada no mundo do subconsciente e dos estados de sonho.

No primeiro “manifesto surrealista”, um folheto explicativo publicado em Outubro de 1924 em Paris que delineava os ideais do grupo, Breton apelou a uma revolução no pensamento “ditada pela ausência de todo controle exercido pela razão”. Embora isso possa parecer desconcertante, foi, na verdade, um apelo à liberdade e uma rejeição do status quo.

“É um movimento de rebelião contra as instituições, a religião, o exército e todos os poderes que tentaram aprisionar a mente”, disse Xavier Canonne, curador da mostra “Histoire De Ne Pas Rire” (que se traduz como Uma História de Não Rir), no Centro Bozar de Belas Artes em Bruxelas, Bélgica.

Um movimento com liberdades únicas

Tendo começado como um movimento literário, o surrealismo logo se transformou em artístico. Imagens oníricas e jogos visuais são suas características recorrentes, assim como uma sensibilidade política subjacente e um desejo de fazer o espectador questionar o mundo ao seu redor. No entanto, a ausência de uma estética definida deu aos artistas surrealistas uma liberdade única para se expressarem da maneira que escolhessem.

Em “Construção Mole com Feijões Cozidos (Premonição da Guerra Civil)”, pintado em 1936, o artista espanhol Salvador Dalí retrata uma figura gigante delirante e bizarramente distorcida, rasgando-se alegremente em referência à trágica autodestruição provocada pela guerra civil espanhola.

“A Traição das Imagens”, de René Magritte, de 1929, tem uma abordagem mais friamente cerebral. Combinando a imagem de um cachimbo com as palavras “Ceci N’est Pas Un Pipe” (“isto não é um cachimbo”, do francês), obriga-nos a questionar o que vemos e o que nos dizem.

O movimento pegou fogo ao atravessar fronteiras geográficas e décadas, com artistas de diferentes países e épocas adaptando os seus ideais aos seus próprios estilos e preocupações.

“A metamorfose é uma das ideias-chave de todo o movimento e claro que mudou ao longo do tempo. Diferentes artistas de diferentes origens podem usar o Surrealismo para explorar as suas preocupações individuais”, disse Francisa Vandepitte, curadora de “Imagine! 100 Anos de Surrealismo”.

A mostra está em exposição no Royal Museums of Fine Arts da Bélgica antes de se mudar para o Hamburger Kunsthalle na Alemanha, a Fundación Mapfré de Madrid e por último o Museu de Arte de Filadélfia. Cada local mostrará uma seleção principal de obras e as complementará com outras de suas próprias coleções, enfatizando como o movimento se desenvolveu em diferentes regiões.

Influenciando uma nova geração de artistas

Embora o surrealismo tivesse uma reputação de misoginia, Breton e a antiga hierarquia masculina do grupo consideravam as mulheres dentro do movimento simplesmente como “musas”, desde o início as mulheres faziam e exibiam arte ao lado de seus pares do sexo masculino. O seu trabalho, no entanto, foi ignorado durante muitos anos por um establishment histórico da arte que certamente era misógino.

Para restabelecer o equilíbrio, as exposições de Bruxelas mostram o trabalho das artistas belgas Jane Graverol e Rachel Baes que “aproveitaram os apelos do movimento à liberdade e exploraram-no nos seus próprios termos”, disse Vandepitte.

Outros notáveis, como a pintora e escritora britânica Leonora Carrington, que buscou a liberdade tanto na sua vida como no seu trabalho, continuam a influenciar uma nova geração de artistas.

Carrington mudou-se para o México na década de 1940 e, junto com Remedios Varo e a fotojornalista húngaro-mexicana Kati Horna, desenvolveu uma versão exclusivamente feminina do surrealismo que fazia referência às sociedades matriarcais e ao misticismo. O seu trabalho, que também se concentrou em questões ecológicas e androginia, inspirou o tema da Bienal de Veneza de 2022, cuja formação praticamente toda feminina incluía muitas influenciadas pela sua prática.

O que não quer dizer que sejam apenas as artistas mulheres que hoje abraçam o surrealismo. Em seu livro “Novo Surrealismo: O Estranho na Pintura Contemporânea”, o artista e escritor Robert Zeller explora por que e como os artistas contemporâneos estão se envolvendo com ideias e imagens surrealistas.

Zeller acredita que o apelo do surrealismo aos artistas de hoje se deve à liberdade que lhes dá para se expressarem de uma forma acessível a todos, ou seja, a linguagem dos sonhos.

“Ao usar uma linguagem visual que normalmente seria reservada aos sonhos, os artistas podem ser indiretos e mais obtusos na comunicação através do uso do absurdo, de inconsistências e de significados ocultos”, disse Zeller.

Os artistas estão envolvidos com tropos surrealistas clássicos, como apresentar o familiar como desconhecido e estranho, a justaposição de imagens aparentemente não relacionadas e o uso do absurdo para criticar questões políticas ou sociais “mas de novas maneiras que falam a uma geração mais jovem”, disse Zeller.

Dada a nossa atual situação política e social, que de certa forma reflete a da década de 1920, há muito sobre o que os artistas contemporâneos querem falar. “

Não é tão terrível, pelo menos em termos dos muitos milhões de vítimas da Primeira Guerra Mundial, mas temos muitas guerras em curso e uma pandemia global em declínio”, disse Zeller.

A linguagem ambígua do surrealismo também pode ser perfeita para essas conversas. Como observou Zeller: “Pode ser difícil expressar-se e expressar suas crenças sem ofender alguém. Mas ninguém ficará ofendido com o uso da linguagem dos sonhos”.

CNN BRASIL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
slot gacor hari ini
situs slot luar negeri