O Distanciamento social e a melhoria da assistência nos serviços de saúde foram apontadas pelo novo ministro da Saúde, o paraibano Marcelo Queiroga, com as duas principais ações para reduzir as mortes por Covid-19.

Marcelo Queiroga, que participou   nesta terça-feira (17) da entrega das primeiras 500 mil doses da vacina contra a Covid-19 produzidas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, voltou a afirmar que a política pública do Ministério da Saúde é “a política pública do presidente Bolsonaro” – que é contrário a medidas adotadas pelos governadores e prefeitos para garantir o distanciamento social.

Sobre o convite para assumir o Ministério da Saúde, Marcelo Queiroga explicou   foi convocado para ‘dar continuidade’ ao trabalho que vem sendo executado pelo Ministério da Saúde. Nesta quarta, ele afirmou que o presidente deu autonomia para fazer os ajustes que couber no momento adequado.

Marcelo Queiroga, disse que espera contar a com uma “tropa de choque” para dar continuidade ao trabalho. “Nós temos 5574 secretários de Saúde. Nós temos os estados, o Distrito Federal, e esse é o nosso exército, a nossa tropa de choque que está muito unida para, através do diálogo e da ciência, encontrar as soluções que o Brasil precisa”, finalizou.

“A partir de hoje vamos dar inicio ao maior programa de imunização contra Covid-19 desse país. Na segunda-feira, como os senhores sabem, recebi o honroso convite do senhor excelentíssimo presidente da República para assumir a condução do Ministério da Saúde. É uma missão de grande relevância que eu, sozinho, não tenho como construir todas as soluções. Somente com a união de todos os brasileiros, nós, gestores do sistema público de Saúde, teremos condições de dar as respostas que a sociedade brasileira quer ouvir”, afirmou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dezesseis − 1 =