Após a gestão do município de Campina Grande negar atendimento à população justificando o uso de “reserva técnica” na pandemia, o diretor clínico da Unimed João Pessoa questionou a medida diante da crise sanitária.

Em entrevista ao Mais PB, o médico afirmou que o atendimento deve oferecido aos que estão com o estado de saúde complicado.

“Estamos numa pandemia. Guerra é guerra. Onde tem um leito, tem que ser ocupado. A vida está em jogo. Diante de uma calamidade, rasga-se tudo, acaba reserva técnica. É guerra”, destacou ao blog.

Para José Calixto, trata-se de “omissão de socorro.”

“Se o hospital tem uma vaga e o paciente chegou precisando de vaga e ele tem um leito e vai dizer que é uma reserva técnica para uma provável paciente que possa complicar, infelizmente ele teria que ocupar”, explicou.

Cinco pacientes da segunda macrorregião foram transferidos para João Pessoa na última quinta-feira (20), após não conseguirem internações nos hospitais da cidade. No entanto, conforme a Secretaria de Saúde do município, ainda há leitos disponíveis na rede de hospitais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

7 − 3 =