O encolhimento do mercado brasileiro de automóveis, que caiu de 4 milhões de unidades/ano com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para apenas 2 milhões/ano, com a dupla Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, pode fazer novas vítimas, depois da saída da Ford, que fechou suas fábricas em São Paulo, Bahia e Ceará. “Os mais fracos vão sair do Brasil, o que sempre acontece em grandes crises. Dentre os mais fracos, cito a Aliança (Nissan-Renault)”, disse Carlos Ghosn, ex-presidente da empresa, em entrevista publicada neste sábado, na revista Veja.

“Para competir no Brasil é preciso ter uma montadora forte, com vontade de superar os ciclos específicos da economia local, e, se a empresa não tem essa vontade, vai ficar o tempo inteiro saindo e entrando do país, demitindo e contratando, parando e retornando. Esse stop and go é muito ruim para a marca e para os empregados”, diz ele.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

6 + 18 =