A situação dos hospitais diante da incontestável segunda onda da pandemia vai se tornando ainda mais dramática.

O Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, está atualmente com 168 pacientes internados com Covid-19 em unidades de internação e UTI. Trata-se do pico máximo, o maior número desde o início do flagelo, em março.

Há 15 outros pacientes também infectados à espera de uma vaga na UTI. Falta lugar para atender ao aumento da demanda e o hospital passou a tomar a difícil decisão de recusar pacientes.

O Hospital Albert Einstein, na capital paulista, também está perto da capacidade máxima.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

um × 4 =