Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

A Assembleia Geral da ONU aprovou, nesta quinta-feira (24), uma resolução que culpa a Rússia pela crise humanitária na Ucrânia e que pediu novamente o “fim imediato” das hostilidades no país.

Essa foi a segunda resolução aprovada contra a Rússia na Assembleia da ONU em menos de um mês. Mais uma vez, ela é não vinculante, ou seja, não tem cumprimento obrigatório.

A resolução, elaborada por Ucrânia e aliados, recebeu 140 votos a favor (inclusive do Brasil) e 5 votos contra, enquanto 38 países se abstiveram.

Houve uma salva de aplausos na Assembleia após o anúncio do resultado da votação.

Belarus, Coreia do Norte, Eritreia, Síria e Rússia votaram contra, como fizeram na primeira resolução adotada em 2 de março.

China, Bolívia, Cuba, El Salvador, Nicarágua e Irã são alguns dos 38 países que se abstiveram nesta votação.

O que diz a resolução aprovada?

 

A resolução pede “o fim imediato das hostilidades” geradas pela invasão russa e a “retirada imediata, completa e incondicional” das forças armadas russas do território ucraniano.

O documento ainda “deplora” – mesma palavra usada na resolução passada que substituiu “condena” para atender mais países – as “terríveis consequências humanitárias” da agressão da Rússia.

O texto aprovado insiste no fim dos cercos a cidades como Mariupol que “não fazem mais do que agravar a situação humanitária da população e criar obstáculos para os esforços de retirada de civis”.

Rússia não queria ser citada

 

Rússia seus aliados apoiavam que a versão final do texto não citasse o nome do país agressor. Segundo eles, isso “politiza” a resolução.

Um segundo texto sobre a situação humanitária foi proposto pela África do Sul – nele, a Rússia não seria mencionada. Ele foi rejeitado por 67 votos contra, 50 a favor e 36 abstenções.

Rússia perde no Conselho de Segurança

 

Paralelamente à reunião da Assembleia, o Conselho de Segurança rejeitou em outra votação uma resolução apresentada pela Rússia também sobre a situação humanitária na Ucrânia, na qual não se fez menção a seu papel no conflito nem pedia o cessar imediato das hostilidades.

Com dois votos a favor, da China e da Rússia, e 13 abstenções, o projeto russo, cuja votação havia sido adiada várias vezes na semana passada, não foi aprovado, pois sem vetos precisava de nove votos favoráveis para sua aprovação.

Votação histórica

 

Em 2 de março, em uma decisão histórica, 141 países votaram a favor de outra resolução de condenação à invasão russa.

Foram 35 abstenções (entre elas China, Cuba, Nicarágua, El Salvador, Bolívia, Índia, Irã, Iraque, Cazaquistão ou Paquistão). E cinco votos contra (Coreia do Norte, Síria, Belarus, Eritreia e a própria Rússia).

G1

Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

13 + um =