o presidente do Sindicato dos Revendedores de Gás GLP da Paraíba (Sinregás), Marcos Antônio Bezerra, desabafou sobre a preocupação que 1600 revendedores autorizados, credenciados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) na Paraíba já enfrentam por conta do aumento no preço do gás de cozinha. O preço do botijão passou para R$ 95 a partir desta quinta-feira na Paraíba.

Segundo o sindicalista, em menos de um ano foram registrados doze aumentos no preço do gás de cozinha. Para ele, a principal consequência e a mais preocupante é a queda nas vendas e o risco de fechamento desses pontos de revenda autorizados. “O risco de fechamento de pontos oficiais de revende é real, já que o poder aquisitivo das pessoas já não está muito bom e não atende mais a expectativa, e a consequência está na queda das vendas. Já foram doze aumentos em menos de um ano”, disse.

Para piorar ainda mais a situação, Marcos revelou ao ClickPB, que já existe rumores sobre mais um aumento, previsto para o próximo mês. “Nossa preocupação também é que poderá ter o fechamento de pontos autorizados de revenda, aumentando ainda mais o desemprego no estado”, explicou.

Segundo ele, o governo teria que rever a política de reajuste diante o cenário caótico da pandemia. “Eles tem que colocar um freio nesses aumentos. Isso é  uma loucura. Está a preço de ouro o gás de cozinha. Não é possível que ainda estejam pensando em realizar aumentos diante de todo o cenário que estamos enfrentando”, desabafou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

treze − 10 =