Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

Os municípios paraibanos iniciam, neste fim de semana, a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos contra a Covid-19. O secretário de Saúde do Estado, Geraldo Medeiros, ressaltou nesta sexta-feira (14) a importância da imunização, lembrando os dados da Covid-19 para a faixa etária. Durante a pandemia, a Paraíba confirmou 437 casos de covid-19 em crianças com até 11 anos de idade, com 28 mortes: “Não tenham receios, abandonem fake news”, disse.

“Essa informação mostra que o desconhecimento e o analfabetismo científico de algumas pessoas que alegam que as crianças não adoecem e quando adoecem é um problema simples, é o retrato disso, uma evidência pequena que em um estado pequeno como a Paraíba, mas temos evidências maiores como os Estados Unidos, 800 crianças sendo internadas diariamente em função de que não se vacinaram. Portanto, pais as mães não tenho dúvidas, a vacina é segura. Vamos vacinar nossas crianças paraibana anos de 5 a 11 anos de idade”, disse Geraldo à Tv Cabo Branco.

A vacina que será aplicada nas crianças de 5 a 11 anos é embalada em um frasco diferente do usual. Ela terá ⅓ da dose que é aplicada em adultos e a secretaria informou que a aplicação ocorrerá em salas especiais para que não haja erros.

“As doses apresentam invólucro alaranjados e os rótulos para diferenciar na vacina do adulto. Além disso, tem um terço da dose e a recomendação da Secretaria Estadual de Saúde é que as salas de vacinação para crianças sejam distintas das de adultos para não haver nenhum tipo de erro de interpretação”, destacou

A Secretaria de Saúde, por meio do Núcleo Estadual de Imunizações e Gerência Executiva de Vigilância em Saúde, começa neste sábado (15), às 7h da manhã, a distribuição aos 223 municípios paraibanos das primeiras 23.600 doses pediátricas do laboratório Pfizer destinadas à vacinação de crianças de 5 a 11 anos.

A vacinação infantil vai começar nas crianças a partir dos 11 anos, em ordem decrescente de idade. Primeiro, serão as crianças com deficiência permanente e com comorbidades; indígenas e quilombolas e crianças que convivem com idosos, na mesma casa e, na sequência, todas as demais crianças, por ordem decrescente.

Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

3 × três =