O ministro Celso de Mello determinou que a Polícia Federal tome o depoimento de Sergio Moro em no máximo cinco dias, no inquérito para investigar suposta interferência política de Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

No depoimento, o ex-ministro poderá apresentar provas de suas declarações da semana passada, “com a exibição de documentação idônea que eventualmente possua acerca dos eventos em questão”.

A ordem atende a diversos pedidos feitos por parlamentares para que Moro seja ouvido logo — o prazo inicial era de 60 dias.

Numa petição a Celso de Mello, o PT também pediu cópia de mensagens do celular de Moro.

Na decisão, o ministro afirmou que cabe somente à Procuradoria Geral da República requisitar esse tipo de medida ou outras diligências que julgar necessárias para a apuração.

No despacho, o ministro delegou ao Serviço de Inquéritos da PF, ligada à Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado (Dicor) que tome o depoimento.

Trata-se do grupo especial que investiga políticos com foro privilegiado no Supremo, inclusive nos casos da Lava Jato.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

quatro × um =