O governo brasileiro pediu à China, em março e em novembro de 2020, a troca do embaixador chinês no Brasil. Yang Wanming ocupa o cargo. O país ignorou os pedidos brasileiros e manteve o diplomata no posto.

As solicitações foram feitas depois de conflitos entre a embaixada e o filho do presidente e deputado federal, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). A informação dos pedidos foi divulgada nesse domingo (14.fev.2021) pelo jornal Folha de S.Paulo.

Os pedidos do governo Bolsonaro foram feitos em sigilo. A China não deu uma resposta formal. Mas fez chegar ao Ministério das Relações Exteriores a mensagem de que Yang Wanming tinha boa reputação no país asiático.

Poder360 entrou em contato com a embaixada e com o ministério. Não obteve resposta até a publicação deste texto. O espaço fica aberto para eventuais manifestações.

1º CONFLITO: RESPONSABILIDADE SOBRE PANDEMIA

Em 18 março de 2020, Eduardo Bolsonaro atribuiu à China responsabilidades pela pandemia. “Quem assistiu Chernobyl vai entender o que ocorreu. Substitua a usina nuclear pelo coronavírus e a ditadura soviética pela chinesa. A culpa é da China“, escreveu em seu perfil de Twitter.

No mesmo dia, a Embaixada da China rebateu o deputado. Escreveu na mesma rede social que Eduardo havia proferido palavras “extremamente irresponsáveis”.

 

 

A embaixada afirmou que o congressista havia “contraído vírus mental” ao retornar de viagem nos Estados Unidos. Segundo o órgão, o alinhamento do governo brasileiro com o então presidente norte-americano Donald Trump estaria “infectando amizades” entre as populações de Brasil e China. Trump também culpava os asiáticos pelo coronavírus. Eduardo Bolsonaro e o chanceler Ernesto Araújo se alinharam a esse discurso.

O embaixador da China no Brasil também reagiu. Disse que o país asiático repudia veementemente as declarações do congressista e exigiu pedido de desculpas.

O chanceler Ernesto Araújo saiu em defesa do filho do presidente e afirmou ser “inaceitável que o embaixador da China endosse ou compartilhe postagem ofensiva ao chefe de Estado do Brasil e aos seus eleitores”. Foi nesse momento que o Ministério das Relações Exteriores pediu o afastamento de Wanming.

2º CONFLITO: ESPIONAGEM E 5G

Em 23 de novembro de 2020, Eduardo Bolsonaro acusou a China de espionagem. O deputado afirmou que o Brasil apoiava projeto sobre 5G comandado pelos Estados Unidos e “se afasta” da tecnologia chinesa.

A Embaixada da China criticou a declaração do deputado por meio de nota. Chamou de “infundadas” as insinuações de espionagem feitas pelo deputado. Citou “consequências negativas” a quem perturbasse a parceria China-Brasil. Leia a íntegra.

Em resposta, o Itamaraty afirmou que o tom da resposta da embaixada às declarações do congressista foi “ofensivo”. Disse também que “prejudica a imagem da China junto à opinião pública brasileira”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

três × quatro =