Dois dias após se reunir com o deputado Luis Miranda (DEM) e admitir que sabia que seu líder na Câmara, Ricardo Barros (PP), liderava um esquema de corrupção na compra superfaturada da Covaxin, Jair Bolsonaro concedeu uma audiência ao deputado do PP.

Postagem de Barros, do dia 18 de março, mostra que ele e Bolsonaro tiveram uma “boa conversa” no gabinete presidencial.

Em 6 de maio, mesmo após ter sido informado pelo deputado Miranda e pelo seu irmão, servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, sobre a situação do contrato para a compra da vacina indiana, Bolsonaro nomeou Maria Aparecida, mulher de Barros, para uma cadeira no conselho de administração de Itaipu, para receber R$ 27 mil “para comparecer a reuniões que acontecem de dois em dois meses”, informa blog de Lauro Jardim n’O Globo.

O senador Randolfe Rodrigues, vice-presidente da CPI da Covid, anunciou, neste sábado, 26, que a comissão no Senado vai acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) contra Jair Bolsonaro por crime de prevaricação, pois ele sabia que seu líder na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP), estava envolvido em esquema de corrupção relacionado à Covaxin, mas deixou acontecer.

Conforme comprovam mensagens divulgadas pelo ex-deputado governista Luis Miranda (DEM) e o seu irmão, servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo, Bolsonaro teve conhecimento sobre as fraudes que ocorriam na Saúde para adquirir a vacina indiana. Na quinta-feira, 24, em live, Bolsonaro confirmou que seu reuniu com os irmãos Miranda em 30 de março.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

19 + nove =