O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou que o senador Ciro Nogueira (PP-PI) irá assumir a Casa Civil em reforma ministerial prevista para a próxima semana. “Está praticamente certo, teremos um senador na Casa Civil que pode manter um diálogo melhor com o parlamento”, declarou.

Entre as mudanças também confirmadas por Bolsonaro, está a ida do atual ministro-chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, para a Secretaria-Geral da Presidência no lugar de Onyx Lorenzoni, que assumirá a nova pasta do Emprego e Previdência.

As confirmações foram feitas nesta quinta-feira (22) em entrevista do presidente à rádio Banda B, de Curitiba (PR).

Bolsonaro também comentou que Nogueira é uma pessoa que ele conhece “há muito tempo” pela antiga filiação ao Progressistas e que já conversou com ele sobre os próximos passos. “Não vamos ter problema nenhum no tocante a conduzir a Casa Civil”, declarou.

Para o presidente, esta é a pasta mais importante do governo pois prevê a “coordenação dos ministérios”, o que poderá ser beneficiada pela “experiência” do senador. “Ele pode, no meu entender, fazer um bom trabalho”, concluiu.

Reação de Guedes e Bolsa Família

Bolsonaro também afirmou que o ministro Paulo Guedes, da Economia, teria concordado com a divisão da pasta. “O Paulo Guedes tem um ministério enorme, é um esforço de manter funcionando, ele mesmo concordou com a retirada de Trabalho e Previdencia. Dá uma descompressão no Paulo Guedes e deixa o Onyx tratar dessa questão importantissima”, disse. “Não vai pesar em nada, não custa nada, não vamos criar cargos”, afirmou.

O presidente disse que a reforma ministerial irá preceder possíveis mudanças em programas como o Bolsa Família. Bolsonaro afirmou que o governo estuda reformular, até novembro, o programa de assistência social para que ofereça R$ 300. A pasta da Cidadania é atualmente coordenada por João Roma.

Eleições

Questionado sobre o andamento da PEC do Voto Impresso na Câmara dos Deputados, que, segundo deputados, não deve ser aprovada, Bolsonaro voltou a criticar o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“De repente, o ministro Barroso, do nada, vai para dentro do parlamento se reunir com líderes. O que muitos desses líderes fazem: trocam integrantes da comissão e colocam parlamentares contrários, eles querem ver se matam o projeto na comissão. Ele [Barroso] tem medo do quê? Estaria a refém de alguém? Acredito que não”, disse.

Bolsonaro comentou novamente sobre supostas ‘fraudes’ nas eleições de 2014 e 2018 e disse que, na próxima quinta ou sexta-feira, irá apresentar o conteúdo prometido.

Vacinas e suspeitas

Além de voltar a criticar a atuação da CPI da Pandemia, Bolsonaro comentou casos investigados pela comissão, como o suposto pedido de propina na compra de doses da AstraZeneca intermediada pela empresa Davati Medical Supply.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

13 + 20 =