Desde o início do mandato, o presidente Jair Bolsonaro é comparado a Odorico Paraguaçu. O personagem criado pelo genial Dias Gomes para a novela O Bem-Amado, lançada em 1973, e vivido pelo brilhante Paulo Gracindo era prefeito da provinciana cidade de Sucupira. Preocupado em manter-se no poder a qualquer custo, fazia promessas que sabia não poder cumprir, pregava para outros uma moralidade que não praticava e governava no estilo autoritário.

Muitos trechos de O Bem-Amado circularam nas redes sociais nesses dois anos, para reforçar que Bolsonaro é, na verdade, a reencarnação de Odorico. Nenhum desses vídeos, porém, foi tão fidedigno quanto o que acompanha esse texto. Contém o diálogo em que o prefeito de Sucupira relata ao seu auxiliar, Dirceu Borboleta (interpretado pelo excelente Emiliano Queiroz), sobre a intenção de manipular a distribuição de uma vacina que servirá para livrar a população de uma terrível doença.

A cena começa com Dirceu Borboleta acusando Odorico de ser desumano por tentar impedir que a vacina chegue às mãos do único médico de Sucupira, Doutor Leão, que também é o líder da oposição. “Ele não vai ter como impedir a epidemia!”, alerta o auxiliar. O personagem populista de Dias Gomes, então, antecipa em quase cinco décadas a resposta que Bolsonaro deu quando perguntado sobre as mortes por coronavírus. “E daí, seu Dirceu?”, rebate Odorico.

A obra profética prossegue com Borboleta, perplexo, classificando a situação como calamidade. “Vai morrer gente aos montes, daqui a pouco vai ter que aumentar o cemitério”, grita ele. “Vai ser um assassinato em massa, um genocídio!”.

O prefeito, então, repreende o auxiliar. “O senhor não entende de política, veja se raciocina: o que eu não admito de jeito nenhum é que o Doutor Leão se transforme em um herói”, explica Odorico. “Eu não vou dar essa vitória de mão beijada para o inimigo, se há vaga de herói nessa terra essa vaga é minha”.

A seguir, declara a intenção de interceptar as vacinas para usá-las no posto de Saúde municipal. Quando Dirceu Borboleta pergunta qual posto, já que não há nenhum em Sucupira, o prefeito diz: “No posto que eu vou construir. Odorico Paraguaçu vai salvar essa cidade”.

Clichês nascem para ser evitados, mas nesse caso não há como deixar de se espantar com a forma como, mais uma vez, a vida seguiu o roteiro fiel para imitar a arte. Fenômenos assim só acontecem quando artistas da estatura de Dias Gomes compreendem tão bem o espírito de seu povo que conseguem prever o melhor e o pior de nossa alma.

O autor de O Bem-Amado, no entanto, errou feio em um aspecto.

Dirceu Borboleta, o ingênuo e escrupuloso auxiliar de Odorico, constantemente se escandalizava com as barbaridades praticadas pelo prefeito, muitas vezes o repreendia, tentava demovê-lo. No fim, colaborava com o chefe por boa-fé, convencido por ele de que suas intenções eram as melhores.

Ao que parece, Bolsonaro não tem perto de si nenhum auxiliar desse tipo para apontar seus absurdos. O interlocutor nessa pandemia, o general Eduardo Pazuello, que ocupa o Ministério da Saúde, tem pleno conhecimento de todas as barbeiragens cometidas a mando do chefe. Embarca de bom grado, por subserviência, sem se importar com as consequências que seus atos poderão ter para a vida e a morte de milhões de brasileiros.

Cloroquina? Tudo bem. Criar dificuldades para a compra da Coronavac? Ok. Seja o que for, Pazuello topa.

A realidade atual do Brasil é mais dura que a de Sucupira. Temos um Odorico Paraguaçu na presidência, mas faz muita falta entre os militares que o cercam um Dirceu Borboleta, aquele tipo de auxiliar que pensa mais no povo que em se agarrar ao poder.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

onze + dezenove =