Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

Os quatro estelionatários presos na última quarta-feira (11) pela Polícia Civil do Rio de Janeiro têm entre 19 e 25 anos e esbanjavam uma vida de luxo nas redes sociais. Todo o dinheiro que eles ostentavam vinha de transferências bancárias feitas com o roubo de dados na deep web — que só pode ser acessada por aplicativos específicos.

Ao retirar valores das vítimas, o dinheiro ia automaticamente para contas de laranjas da organização criminosa. Uma das integrantes, identificada como Angélica de Jesus Albrecht, possui mais de 10 mil seguidores no Instagram.

Na descrição do perfil, a suspeita se descreve como “sustentada e protegida por aquele que nunca falha”. Já Fernanda Lima acumula 19.800 seguidores na rede.

De acordo com as investigações, o grupo era chefiado por Diego Luiz Pereyra Ferreira e William Teixeira Chicorsky. Acredita-se que o quarteto tenha roubado mais de R$ 1 milhão.

A delegada Daniela Terra, responsável pelas investigações, disse que uma das formas utilizadas para lavar o dinheiro dos golpes virtuais era investir em artigos de luxo, como joias, bebidas importadas e perfumes. Depois, eles vendiam os produtos pelo Instagram.

No dia da prisão, na última quarta, o grupo tentou realizar uma venda irregular de joias em joalherias de Ipanema, na zona sul do Rio. Todos foram levados para a 14ª DP (Leblon).

Os criminosos ainda tentaram subornar os policiais com R$ 150 mil e uma moto aquática. É possível que ainda haja mais pessoas envolvidas no golpe.

 

Rádio cidadão pb

Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dois × 3 =