Estratégias jurídicas distintas para tentar encerrar, por meio do Supremo Tribunal Federal (STF), as investigações sobre a “rachadinha” no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) expuseram uma nova divisão na defesa do senador.

O advogado Frederick Wassef acionou a Corte no último dia 14 pedindo o arquivamento do caso por supostas irregularidades no compartilhamento de dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), tema que já foi rejeitado em instâncias superiores. Ao fazer este movimento, Wassef se antecipou a um possível pedido da advogada Luciana Pires ao Supremo para anular todas as decisões de primeira instância, o que seguiria a linha adotada pela defesa no Rio, na contramão do advogado.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

oito + 9 =