A saída de Deltan Dallagnol da força-tarefa da Lava Jato teve repercussão no Ministério Público da Paraíba.

O chefe do Gaeco, procurador Octávio Paulo Neto, comentou a decisão do coordenador da operação que denunciou vários empresários e políticos, entre eles o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Octávio declarou que, “as vezes, o lenhador precisa afiar o machado”, e que, “o combate a corrupção não é feito de espasmos, é um caminhar com passos lentos e firmes”.

Na Paraíba, Paulo Neto ganhou a comparação com Dallagnol justamente por desencadear operações que prenderam diversos políticos, a exemplo do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) na Operação Calvário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

quatro × quatro =