Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

Tiago Leifert falou pela primeira vez após a enxurrada de críticas que recebeu pela sua manifestação política em um podcast. O ex-Globo sugeriu o voto nulo na próxima eleição em caso de segundo turno entre o ex-presidente Lula (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Uma coisa que me incomoda muito é o tom professoral, que são essas pessoas aqui da internet que, por terem um número alto de seguidores ou por escreverem em um portal grande, ou por escreverem para um jornal importante, se acham enviadas do céu”, iniciou.

Para Leifert, as pessoas mencionadas “acham que desceram lá de cima para iluminar seres inferiores como eu e você” e que trabalham “para ensinar para nós o que a gente deve pensar, o que a gente deve fazer”.

O ex-apresentador do Big Brother Brasil listou os xingamentos que recebeu ao longo dos últimos dias e questionou a censura contra ele simplesmente por sua opinião fora do padrão:

“Fui chamado de covarde, imbecil, burro, falaram que eu não sei nada sobre a vida, que eu preciso aprender. Por que eu não posso falar o que eu penso? Por que, ao dizer o que eu penso, eu sou xingado?”.

 

Tiago Leifert cita falta de espírito democrático de haters

O ex- funcionário da Globo classificou as atitudes dos seus inimigos virtuais como antidemocráticas: “As pessoas que vieram defender a democracia, que falam que eu sou uma ameaça à democracia porque vou votar nulo, elas são as primeiras a dizer que você é um imbecil, idiota porque você pensa diferente delas. Na minha cabeça, isso é a coisa mais antidemocrática do mundo”.

Tiago Leifert indicou que foi alvo de “uma polícia virtual dos costumes que fica com o cassetete na mão esperando alguém discordar”, e avisou:

Se você acha que a democracia está sob ameaça, você não pode defender a democracia se transformando também em uma ameaça a ela, tentando silenciar o debate e humilhar quem pensa diferente. É o básico”.

Para o jornalista, “é exatamente por isso que o país está dividido”, e cravou: “Você só ajudam a piorar a situação. A gente precisa dar o direito das pessoas de falar o que elas estão pensando. Debater com calma. As pessoas às vezes não querem entender”.

Confira:

rd1
Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dois × 4 =