Os presidentes da Associação dos Bares e Restaurantes da Paraíba (Abrasel-PB) e da Câmara dos Diretores Lojistas (CDL) em João Pessoa, Artur Lira e Nivaldo Vilar, respectivamente, afirmaram nesta quinta-feira (3) que os setores estão preparados para enfrentar uma possível segunda onda da pandemia do novo coronavírus e que o aumento da doença não foi causado pelo ramo de entretenimento nem de comércio na Capital.

Para Artur Lira, o setor de bares, restaurantes e outros eventos de entretenimento não suportam mais “medidas severas”. “Já trabalhamos com a capacidade reduzida… Já passamos muito tempo fechado”, alertou. Segundo ele, está muito claro que esse aumento do pico não foi causado por bares e restaurantes e entretenimentos similares. “Tá muito claro ai que esse pico aconteceu em função também das eleições, e desse descuido e cansaço da população. O setor está preparado para enfrentar essa reta final. Não cabe mais nesse momento maiores restrições de flexibilização. Não suportaremos, muitas empresas serão fechadas e empregos perdidos”. ressaltou.

Foto: Reprodução/Abrasel

Lira disse que a Abrasel vem dialogando, nos últimos dias, com representantes da Secretaria Municipal de Saúde sobre a manutenção do funcionamento dos bares, restaurantes e similares, bem como realizando também uma campanha de conscientização, junto aos empresários e proprietários de estabelecimentos, para que os protocolos e medidas sanitárias sejam cumpridas para evitar a disseminação da Covid-19.

“A gente vem dialogando com a secretaria de saúde, nos últimos dias. Temos uma campanha de conscientização, reforçando junto ao setor empresarial, cobrando e pedindo ao setor público e gestores que atuem na fiscalização em cima de uma pequena parte, na verdade, que vem extrapolando e prejudicando uma grande maioria. Quando eu falo de uma grande maioria, não é só de empresários e proprietários não…estamos falando dos empregos de várias famílias”, disse.

Já o presidente do CDL, Nivaldo Vilar, reforçou que o atual prefeito Luciano Cartaxo e o prefeito eleito, Cícero Lucena, que toma posse no dia 1ª de janeiro do próximo ano, garantiram que não pretendem fechar o comércio de João Pessoa. Ele espera que os gestores públicos possam flexibilizar, ainda mais, os horários das lojas e shoppings nesse período de fim de ano, quando há um aquecimento nas vendas.

“Temos a confirmação do atual prefeito Luciano Cartaxo de que o comércio não será fechado. A nossa expectativa era de que ele [Cartaxo] pudesse nos ajudar e flexibilizar mais o horário dos shoppings e grandes magazines no mês de dezembro, que foi uma promessa dele [Luciano] lá no CDL numa reunião que ele fez no mês passado no dia 26. A gente compreende a situação, os casos estão aumentando mas ele nos prometeu que não iria mexer no horário. Iria deixar como está. Isso foi uma promessa dele e dos seus secretários. O prefeito eleito [Cícero Lucena] que vai assumir no dia 1º de janeiro, também nos prometeu que não iria fechar o comércio”, afirmou.

Nivaldo alertou que o estado precisa arrecadar impostos e o comércio e os empresários precisam arrecadar para manter seus estabelecimentos e pagar os salários dos colaboradores. “Nós estamos cumprindo todos os protocolos. A gente tem a absoluta certeza de que não é o comércio que está aumentando os casos da doença. Faz quatro meses que estamos abertos e, muito pelo contrário, estava ocorrendo uma diminuição”, destacou Vilar informando que um ofício já foi encaminhado à Prefeitura solicitando a ampliação do horário do comércio, mas até agora não obteve resposta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dois + vinte =