Quais os novos rumos da TV aberta diante da mudança de hábito do consumidor brasileiro? Essa é a pergunta que profissionais da área mais têm feito nos últimos tempos, na tentativa de antecipar tendências do mercado audiovisual. Para o pesquisador Mauro Alencar, 59 anos, doutor em teledramaturgia pela USP, professor de pós-graduação no Centro Universitário Belas Artes e por décadas consultor da TV Globo, a hegemonia da emissora está com os dias contados, diante do avanço das empresas de streaming, principalmente na formação de novos telespectadores. Recentemente, Alencar contou a VEJA que doou todo seu rico acervo de teledramaturgia para uma universidade em São Paulo. A seguir, trechos do bate-papo com Alencar, autor do livro A Hollywood brasileira – panorama da telenovela no Brasil:

USO DA MEMÓRIA

“Ninguém liga mais para nada! Acho lamentável o que estão fazendo com a memória no país. Não aprendemos com os Estados Unidos. Os grandes parques da Disney, por exemplo, alimentam a memória da população, é algo fenomenal. As memórias histórica e afetiva fomentam a economia criativa. Os americanos criaram a radionovela, as séries, a indústria do entretenimento, tudo baseado em memória. Você vai a um parque para cultivar a memória afetiva de filmes”.

EFEITOS DO STREAMING

“A TV hoje está toda fragmentada, é resultado direto do que o streaming está provocando no mercado audiovisual. A novela enquanto gênero ainda vai permanecer por um bom tempo, mas se adaptando de outras maneiras, mais atenta à pluralidade do gosto do público”.

 

FIM DA HEGEMONIA

“A mensagem de massa não existe mais. Irmãos coragem é o Brasil de ponta a ponta. A nova versão de Pantanal, não, ainda que tenha grande audiência. A Globo não vai perder hegemonia para a TV Record ou o SBT, está perdendo para o streaming. Dia desses estava no Rio, parei para comprar um biscoito numa banca, e o rapaz me perguntou se eu não queria levar mais um pacote para comer enquanto vejo alguma série da Netflix. É disso que estou falando. Há uma mudança comportamental em curso”.

NOVOS TEMPOS

“Hoje cada um vê sua novela da forma que quer, onde quer. E pensar que em maio de 1968, milhares se reuniram no estádio do Maracanãzinho, no Rio, e o Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, para assistir ao último capítulo da novela Redenção, da já extinta TV Excelsior ”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

2 × 5 =