A prefeita de Bayeux, Luciene Gomes (PDT), causou polêmica após colocar aviso na porta de um hospital da cidade no dia da posse, sexta-feira (1º), onde manda recado para os funcionários da unidade. “Trate bem as pessoas ou peça exoneração”, diz o aviso, em linhas gerais.

Luciene também disponibilizou um número de contato no aviso para que a população possa contatar em caso de “maus-tratos”.

O Conselho Regional de Medicina (CRM-PB) não se posicionou, já o Sindicado dos Médicos da Paraíba (Simed-PB) emitiu uma nota pública na qual lamenta a postura da prefeita e o fato de tentar colocar a população contra os profissionais de saúde, acusando-a de assédio moral. Além disso, o O Simed-PB lembrou que já foi feita uma denúncia ao Ministério Público sobre a falta de condições de trabalho e de EPIs em algumas unidades de saúde do município. Também já ajuizou ação para cobrar o pagamento dos salários dos médicos do PSF, de abril de 2020, ainda hoje não pagos. (veja a nota na íntegra, no fim desta publicação).

Confira a nota da prefeita de Bayeux

Confira a nota do Simedpb na íntegra:

Prefeitura Municipal de Bayeux – Alô Prefeita

O Sindicato dos Médicos do Estado da Paraíba lamenta a atitude da Prefeita de Bayeux, que com a disfarçada intenção de resolver os problemas da saúde pública do município, se volta contra os profissionais de saúde e de apoio, em um ato que tangencia o assédio moral.

O bom trato, a cordialidade, a empatia e a humanização são características que devem se fazer presentes em todas as pessoas, inclusive nos profissionais de saúde. Não se nega a existência de maus profissionais ou de más condutas, em qualquer área, mas tais casos não são resolvidos de modo autoritário.

A própria prefeita responde ação de investigação judicial eleitoral (AIJE), proposta pelo Ministério Público Eleitoral, devido abuso de poder político e tem a oportunidade de se defender em foro competente.

Os problemas da saúde pública de Bayeux são maiores do que os que a prefeita tenta expor, de forma que sua atenção deveria estar voltada para resolver tais problemas. Há UBS sucateadas, com estruturas físicas deterioradas, falta de equipamentos, materiais e EPIs.

Há falta de segurança no ambiente de trabalho. A UBS Tambaí em agosto de 2020 foi invadida por grupo de homens armados que assaltaram pacientes e profissionais de saúde. O Hospital e Maternidade João Marsicano já foi interditado algumas vezes pelo CRM-PB e pela Agevisa.

A prefeitura de Bayeux, de acordo com o portal Sagres do Tribunal de Contas do Estado em outubro de 2020, possui apenas 20 médicos efetivos (concursados) enquanto que o número de médicos com contratações precárias é de 98 médicos, situação bastante irregular.

O SIMED-PB já denunciou ao Ministério Público a falta de condições de trabalho e de EPIs em algumas unidades de saúde do município. Também já ajuizou ação para cobrar o pagamento dos salários dos médicos do PSF, de abril de 2020, ainda hoje não pagos.

Por fim o SIMED-PB sugere que os profissionais de saúde e de apoio aproveitem a oportunidade e façam suas reclamações sobre as más condições de trabalho, atraso de pagamento dos salários e demais irregularidades, através do telefone do ALÔ PREFEITA disponibilizado pela gestora.

Redação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dezessete + 10 =