O dinheiro em papel vai praticamente sumir nos próximos cinco anos por causa da digitalização dos meios de pagamento e das novas tecnologias. A previsão é do diretor da Mastercard no Brasil e Cone Sul, João Pedro Paro Neto, em entrevista ao programa CNN Líderes.

Ele admite que o uso do papel moeda aumentou durante a pandemia do novo coronavírus, mas atribui o pico ao pagamento do auxílio emergencial para ajudar a população mais pobre. Por conta do maior uso do dinheiro, o Banco Central lançou recentemente uma nota de R$ 200.

“Foi um movimento pontual, não mudou a tendência”, disse Neto. Ele afirmou ainda que a tendência é crescer no Brasil os pagamentos por aproximação, que ainda engatinham em relação a outros países, e também por aplicativos.

Segundo Paro Neto, a Mastercard está pronta para realizar as transações dos consumidores pelo WhatsApp quando for autorizado pelas autoridades. As autoridades reguladoras estão preocupadas com a proteção dos dados e com a redução da concorrência dada a ampla utilização do aplicativo no Brasil.

O executivo acredita numa recuperação da economia brasileira em “V” passado o impacto mais forte da pandemia. Ele contou que, desde julho, as transações no comércio voltaram a crescer após uma forte queda. “As mais penalizadas, no entanto, são as pequenas e médias empresas. Muitas vão se recuperar, mas muitas ficarão pelo caminho”, ponderou.

Redação com CNN/Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

19 − três =