Um dia após passar pelo “teste de fogo” como novo líder do governo na Câmara ao conseguir manter o veto presidencial ao reajuste do funcionalismo, o deputado Ricardo Barros (PP-PR) afirmou que pretende trabalhar para construir uma base parlamentar segura ao presidente Jair Bolsonaro, mas admitiu que em alguns assuntos haverá mais dificuldades, como projetos relacionados a pautas de costumes. “Reconheço que os partidos que são base do governo eventualmente não acompanham a pauta de costumes porque interpretam não como uma pauta de governo, mas do presidente”, disse ele ao Estadão/Broadcast.

 

Ex-líder do governo durante a presidência de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e vice-líder dos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do PT, o parlamentar se gaba de se relacionar bem com a oposição. Afirmou que tem “trânsito livre” com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). “O presidente da Câmara é influente no plenário e, quando ele acompanha, as coisas facilitam”, afirmou Barros.

Eu trabalho com um mapa de votação. Ontem, sabíamos que tínhamos voto para manter o veto. Sou engenheiro, faço contas. Não é toda votação que teremos todos os votos. Temos que ter a flexibilidade de entender como cada votação reflete na base do parlamentar. É assim que podemos construir uma base segura, harmônica e permanente.

Sem Rodrigo Maia, o governo conseguiria manter o veto ao reajuste de servidores?

Não posso te responder isso. Agradeço muito a participação do presidente Rodrigo Maia. Como nossa pauta é convergente sobre esse tema, é muito importante que fizéssemos essa votação conjunta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

12 + 3 =