Mais uma reviravolta nas eleições indiretas para escolha do prefeito e vice-prefeito da cidade de Bayeux. O Tribunal de Justiça da Paraíba cancelou mais uma vez o pleito que estava marcado para esta quinta-feira (13).

Ao analisar agravo de instrumento protocolado pela vereadora Lucília Freitas (DEM), a desembargadora Maria das Graças Morais Guedes opinou pela suspensão das eleições. Lucília, que teve o registro de candidatura impugnado, alegou problemas no edital que previa a eleição para hoje.

O presidente da Câmara, Inaldo Andrade, que disputa o cargo de prefeito, terá que elaborar um novo edital e convocar novas eleições.

O juiz Francisco Antunes Batista, da 4ª Vara Mista de Bayeux, havia revogado ontem a decisão que previa a suspensão do edital convocatório de eleições indiretas previstas para acontecer nesta quinta-feira, 13. O pleito ficou suspenso por decisão do juiz plantonista Sérgio Lopes, atendendo também a um pedido da vereadora Lucília Freitas, candidata a vice na chapa do atual presidente da Câmara, Inaldo Andrade. Ela alegou falta de prazo para apresentar a documentação exigida para registro de sua candidatura, motivo pelo qual acabou sendo impugnada.

Na decisão de ontem, Antunes afirma que Lucília, por ser vice do presidente da Câmara, jamais poderia alegar “desconhecimento dos prazos do Edital, devidamente debatido na referida Casa Legislativa”. Ele acrescentou que foi anexo aos autos um áudio no qual fica claro que a falta de documentação aconteceu por decisão do partido de Lucília, o Democratas, que não tinha interesse na candidatura dela.

Agora, com a mais recente decisão, dessa vez da desembargadora Maria das Graças Morais Guedes, a eleição é mais uma vez adiada e sem definição de quando vai acontecer.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

cinco + 14 =