O volume de contratos celebrados com os departamentos regionais da Paraíba, Pernambuco, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Alagoas chamou atenção de investigadores da Polícia Federal (PF) e desencadeou uma investigação acerca da suposta existência de desvio de recursos do Serviço Social da Indústria (Sesi).

De acordo com informação publicada no site da Folha, após as investigações, o Ministério Público Federal em Pernambuco denunciou, nesta terça-feira (11), o presidente da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), Robson Braga de Andrade, e outras nove pessoas sob acusação de peculato (uso de cargo para desvio de recursos).

A denúncia é um desdobramento da Operação Fantoche, desencadeada pela Polícia Federal em 2019. A investigação constatou supostos desvios de mais de R$ 2,5 milhões do Sesi na execução de projetos culturais em parcerias com ONGs e empresas privadas.

A verba estava atrelada a contrato de patrocínio do projeto Relix Pernambuco 2014, voltado para ações educativas e culturais no âmbito da reciclagem de lixo.

O Sesi afirma que seguiu todos os trâmites legais e nega quaisquer irregularidades.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

cinco + quinze =