A defesa de Fabrício Queiroz recorreu nesta segunda-feira (10) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar a prisão domiciliar determinada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O pedido de habeas corpus é para que ele seja colocado em liberdade, sem nenhuma restrição.

O pedido de soltura no STF será analisado pelo ministro Gilmar Mendes.

Ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Queiroz está em prisão domiciliar desde 9 de julho, quando o presidente do STJ, João Otávio de Noronha, concedeu o benefício a ele e à mulher, Márcia Aguiar.

Na decisão, Noronha descreveu que as “condições pessoais” de saúde e idade de Queiroz não recomendariam mantê-lo na cadeia durante a pandemia do novo coronavírus.

Márcia recebeu o benefício mesmo estando foragida desde 18 de junho, quando a Polícia Federal deflagrou a operação Anjo. Noronha atuou no caso porque respondeu pelos casos urgentes que chegaram ao tribunal durante o recesso do Judiciário.

Queiroz é apontado pelo Ministério Público como operador financeiro do esquema das “rachadinhas”. As irregularidades teriam ocorrido no gabinete de Flávio Bolsonaro quando ele era deputado estadual do Rio de Janeiro. O parlamentar nega as acusações.

Prisão

O pedido de soltura ao STF será julgado em paralelo a um recurso da Procuradoria-Geral da República (PGR) que tenta devolver Queiroz e a mulher ao regime fechado.

Esse pedido, assinado pelo subprocurador-geral da República Roberto Luís Oppermann Thomé, deve ser analisado pelo ministro Felix Fischer. Segundo o procurador, há uma série de elementos que justificam a prisão de Queiroz.

“Ilações e suposições não é bem o que se mostra quando se verificam indícios de influência e contatos do ora paciente Fabrício José Carlos de Queiroz com milicianos, sendo instado a resolver problemas como o de sócio de outro investigado que mostra mensagens com ameaças de ‘enforcado com línguas'”, escreveu Oppermann Thomé.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

onze − seis =