BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O Ministério da Defesa cancelou a realização neste ano do tradicional desfile de Sete de Setembro na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

Em portaria, publicada nesta sexta-feira (7) no “Diário Oficial da União”, o ministro Fernando Azevedo orientou as Forças Armadas a se absterem de participar de “quaisquer eventos comemorativos” como desfiles e paradas.

O objetivo é evitar aglomerações tanto de militares na cerimônia como de civis nas arquibancadas em meio à pandemia do novo coronavírus.

Segundo assessores da pasta, será a primeira vez que o evento não será realizado na capital federal desde a ditadura militar.

Nos últimos anos, o desfile se tornou um teste de popularidade para mandatários do Palácio do Planalto. Em momentos de baixa popularidade, presidentes evitavam o público geral para fugir de eventuais protestos.

No ano passado, mesmo diante de uma crise fiscal, o presidente Jair Bolsonaro aumentou o desembolso para promover a cerimônia cívica.

O contrato assinado pela gestão pública para a montagem e organização da cerimônia militar previa um custo de R$ 971,5 mil, 15% mais do que no ano anterior, em valores corrigidos pela inflação (IPCA).

Neste final de semana, o Brasil poderá chegar à triste marca de 100 mil mortos pelo novo coronavírus.

Nesta quinta-feira (6), o país registrou 1.226 novas mortes pela doença e 53.511 novos casos. O total de óbitos chegou a 98.644.

Os dados são fruto de colaboração inédita entre Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dois × quatro =