O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, fez críticas à operação Lava Jato e defendeu o procurador-geral da República, Augusto Aras, em entrevista publicada no jornal “O Globo” nesta quarta-feira (5).

Na entrevista, o parlamentar foi questionado sobre se não considera uma contradição que a Lava Jato reclame estar sendo alvo de desmonte depois de a família Bolsonaro ter sido eleita com discurso alinhado ao da operação.

“[Augusto] Aras [procurador-geral da República] tem feito um trabalho de fazer com que a lei valha para todos. Embora não ache que a Lava-Jato seja esse corpo homogêneo, considero que pontualmente algumas pessoas ali têm interesse político ou financeiro. Se tivesse desmonte das investigações no Brasil, não íamos estar presenciando essa quantidade toda de operações”, disse.

O senador é alvo de investigação de esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alesp), no qual funcionários eram obrigados a devolver parte do salário ao gabinete do parlamentar no período em que ele foi deputado estadual.

O ex-assessor de Flávio Bolsonaro Fabrício Queiroz chegou a ser preso durante 22 dias por causa da investigação da rachadinha, mas deixou o presídio e foi para prisão domiciliar no último dia 10. Investigação do Ministério Público apontou que Queiroz pagou contas pessoais de Flávio, como mensalidade escolar das filhas e gastos com plano de saúde, com dinheiro vivo.

Na entrevista, Flávio admitiu que Queiroz pagou suas contas pessoas, mas, segundo ele, foi com dinheiro do próprio parlamentar.

“Pode ser que, por ventura eu tenha mandado, sim, o Queiroz pagar uma conta minha. Eu pego dinheiro meu, dou para ele, ele vai ao banco e paga para mim. Querer vincular isso a alguma espécie de esquema que eu tenha com o Queiroz é como criminalizar qualquer secretário que vá pagar a conta de um patrão no banco. Não posso mandar ninguém pagar uma conta para mim no banco?”, declarou ao jornal.

Flávio também disse que o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, deixou o governo “porque percebeu que não havia um alinhamento ideológico, no tocante às armas, por exemplo” e que, com a saída dele, “a produção do Ministério da Justiça subiu demais”. Ao ser questionado sobre se a saída de Moro não se deve a uma interferência política na Polícia Federal, o senador disse ser uma “uma crítica completamente infundada”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

vinte − dezoito =