O número de queimadas registradas no Pantanal bateu recorde no mês passado: foram 1.684 pontos no bioma no mês passado, o maior número para um mês de julho desde que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) começou a coletar os dados em 1998.

Em comparação com julho do ano passado, o bioma teve 3,4 vezes mais focos de incêndio, segundo os dados do Inpe, que registrou 494 no mesmo período em 2019.

Considerando a situação de todos os biomas brasileiros em julho, o Pantanal teve o maior aumento das queimadas. Na Amazônia, que teve a segunda maior alta, houve 28% mais incêndios em em julho de 2020 comparado a julho de 2019.

No Cerrado, foram registrados 5% mais incêndios em julho deste ano se comparado ao ano passado. Já na Mata Atlântica, na Caatinga e no Pampa, houve queda (veja gráfico).

Gráfico mostra comparação das queimadas nos biomas brasileiros entre julho de 2019 e julho de 2020 — Foto: Juliane Monteiro/G1

Gráfico mostra comparação das queimadas nos biomas brasileiros entre julho de 2019 e julho de 2020 — Foto: Juliane Monteiro/G1

O engenheiro florestal Vinícius Freitas Silgueiro, coordenador de inteligência territorial do Instituto Centro de Vida (ICV), que monitora o Pantanal em Mato Grosso, diz que os incêndios no bioma são os piores desde 1998.

“Segundo os dados de série histórica de focos de calor que o Inpe disponibiliza, desde 1998, nós nunca tivemos essa situação nos sete primeiros meses do ano” – Vinícius Freitas Silgueiro, engenheiro florestal do ICV

4″O que a gente está vendo agora é algo histórico em termos de impacto no bioma” – Vinícius Silgueiro

O Pantanal é a maior planície alagada do mundo, englobando áreas de Mato GrossoMato Grosso do Sul, da Bolívia e do Paraguai. Mas a estação úmida da região, que normalmente vai de janeiro a maio, teve 50% a menos de chuva este ano do que o esperado, o que também fez com que muitos focos de queimadas fossem registrados nos meses mais chuvosos.

Isso contribuiu para que os incêndios – que podem começar como queimadas controladas para “limpar” a vegetação desmatada – acabassem se alastrando, explica Vinícius, do ICV. Agora, a região vive a estação seca, que deve durar até setembro. Por isso, é possível que a situação piore nos próximos meses, afirma o engenheiro.

Vinícius também lembra que metade das queimadas (51%) incidiu em imóveis rurais privados que têm o cadastro ambiental rural. “São imóveis que têm, majoritariamente, o seu uso agropecuário. E aí está a relação com a causa dos incêndios”, explica.

“Para a pecuária, o fogo ainda é muito utilizado como uma forma de renovar a pastagem. Você queima e depois ela vem com um novo vigor. E aí, com certeza, essas queimadas saíram do controle e acabaram provocando grandes incêndios”, diz Vinícius.

Decreto

Foto mostra fumaça em meio a vegetação do Pantanal em Poconé, Mato Grosso, no dia 1º de agosto. — Foto: Rogério Florentino/AFP

Foto mostra fumaça em meio a vegetação do Pantanal em Poconé, Mato Grosso, no dia 1º de agosto. — Foto: Rogério Florentino/AFP

As queimadas no Pantanal e na Amazônia aumentaram mesmo depois de um decreto, do Ministério do Meio Ambiente (MMA) publicado no dia 16 de julho (e que começou a valer na mesma data), que suspendeu por 120 dias o uso de fogo em ambos os biomas.

O texto diz que a proibição se aplica “no território nacional”, apesar de determinar que “ficam autorizadas as queimas controladas em áreas não localizadas na Amazônia Legal e no Pantanal, quando imprescindíveis à realização de práticas agrícolas, desde que autorizadas previamente pelo órgão ambiental estadual”.

Anta é vista em meio a fumaça de queimadas em Paranatinga (MT), no dia 2 de agosto — Foto: Corpo de Bombeiros

Anta é vista em meio a fumaça de queimadas em Paranatinga (MT), no dia 2 de agosto — Foto: Corpo de Bombeiros

G1 questionou a pasta sobre o aumento dos incêndios. Em nota, o ministério respondeu que “o Governo editou um decreto proibindo queimadas em todo o território nacional por 120 dias. Além disso, o MMA contratou 3000 brigadistas temporários para auxiliar os corpos de bombeiros estaduais no combate e prevenção às queimadas.”

Para Rômulo Batista, porta-voz do Greenpeace, o aumento das queimadas mesmo depois das determinações do decreto reflete a “certeza da impunidade” por parte de quem provoca os incêndios. Ele também critica as práticas ambientais do governo federal.

“O que se tem é a certeza da impunidade. Mesmo proibido, não tem efeito na prática”, afirma Rômulo.

“Desde que assumiu, [o governo] vem só rebaixando ou desmerecendo os órgãos de fiscalização e controle, desde promover a exoneração de agentes ambientais que estão fazendo o que é correto. E você tem uma manobra do ministro do Meio Ambiente [Ricardo Salles] para ‘passar a boiada’“, lembra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

vinte − quatro =