O estado de São Paulo registrou 383 novas mortes por coronavírus nas últimas 24 horas, ultrapassando nesta terça-feira (21) a marca de mais de 20 mil mortes pela doença desde o início da pandemia. Segundo dados da Secretaria Estadual da Saúde, também foram registrados 6.235 novos casos confirmados de Covid-19, levando o total para 422.669 confirmações desde o início da pandemia.

As novas confirmações em 24 horas não significam, necessariamente, que as mortes e casos aconteceram de um dia para o outro, mas que foram contabilizadas no sistema neste período. Os números costumam ser menores nos finais de semana e às segundas-feiras, devido ao atraso nas notificações nestes dias.

Veja novos registros no estado de SP nas últimas 24 horas:

  • 383 mortes
  • 6.235 casos confirmados

Veja o total no estado de SP desde o início da pandemia:

  • 20.171 mortes
  • 422.669 casos confirmados

média móvel diária de mortes no estado está em 264O indicador avalia os registros dos últimos 7 dias e é usado para analisar a tendência da epidemia corrigindo a diferença de notificação entre os dias da semana. Veja a variação no gráfico abaixo:

O valor registrado nesta terça é 7,7% maior que a média móvel de 245 registrada há 14 dias. Especialistas consideram que variações de até 15% em 14 dias são consideradas estabilidade. O estado de São Paulo permanece, portanto, estável em um número alto de mortes, o chamado platô.

Internações

As taxas de ocupação dos leitos das unidades de terapia intensiva (UTI) tiveram leve queda para 66,8% no estado e 64,9% na Grande São Paulo. Na segunda-feira as taxas eram de 66,6% no estado e 64,3% na região metropolitana. Veja a variação no gráfico abaixo:

O número de pacientes internados com suspeita ou confirmação de Covid-19 também teve leve queda nesta terça-feira (21) para 14.074 pacientes, sendo 8.269 em enfermaria e 5.806 em UTI. Na segunda, o total era de 14.598 hospitalizados com sintomas da doença. Veja no gráfico abaixo:

Interior puxa recorde de mortes

O governo de São Paulo afirmou nesta segunda-feira (20) que um aumento de 24% nas mortes por coronavírus no interior na última semana foi o responsável por fazer com que o estado como um todo batesse o recorde semanal, com 1.945 novas mortes, após três semanas seguidas em que o valor havia apresentado leve queda.

No entanto, o coordenador-executivo do Centro de Contingência do Coronavírus, João Gabbardo, afirma que o aumento está dentro das projeções realizadas pela gestão João Doria (PSDB). Em meio à flexibilização gradual da quarentena em várias regiões, o governo prevê que o estado atinja um total de 21 mil a 26 mil mortes por coronavírus até o final de julho.

“Realmente na semana passada a gente teve um número de óbitos maior do que os das semanas anteriores. Nós estávamos há três semanas com redução, mas isso não altera o que nós imaginávamos desde o início do plano, de que a capital tinha uma tendência de queda, manutenção dos seus números de casos e óbitos, e uma provável expansão no interior”, disse Gabbardo nesta segunda.

Segundo o diretor, houve aumento menor de mortes na capital e na Região Metropolitana, dentro do que especialistas ainda consideram estabilidade na análise da média móvel. Mas os números do interior puxaram o total do estado para o avanço de 14%, limite da taxa para que seja considerado aumento e não estabilidade.

“Na Região Metropolitana o aumento do número de óbitos foi de 7%, na capital ainda menor, em torno de 2,6%. Houve um aumento de óbitos no interior bastante considerável, na ordem de 24%. No total, os números mantém o estado em uma estabilidade, dentro da nossa previsão. […] Até 15% consideramos estabilidade”, afirmou.

Interior X capital

O secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, também apresentou nesta segunda-feira (20) outra análise que confirma a interiorização da Covid-19 em São Paulo. Segundo Vinholi, pela primeira vez o interior ultrapassou a capital em números absolutos de casos confirmados desde o início da pandemia. A comparação desconsidera as outras cidades da Grande São Paulo.

“O interior do estado alcança o número de casos da capital. São 40% de casos no interior hoje [em relação ao total] e 40% de casos na capital: 166 mil casos em cada uma dessas regiões. Essa evolução veio se dando ao longo do período, viemos alertando e trazendo essas informações e com os dados de hoje se consolida”, disse Vinholi.

Há cerca de um mês, o secretário já havia anunciado que o interior havia ultrapassado a capital em novos registros semanais de casos.

Já em relação às mortes, Vinholi também afirmou nesta segunda que o interior ultrapassou pela primeira vez a Grande São Paulo (sem a capital) em número absoluto de óbitos por coronavírus. Segundo o secretário, o interior soma 5.612 mortes desde o início da pandemia e a Grande SP 5.318. Na capital, o valor total de mortes é de 8.778.

Recorde de mortes na semana

A alta semanal foi de 14% e acontece após três semanas de leves quedas no número de mortos em São Paulo. Na semana do dia 5 de julho ao dia 11, foram registradas 1.706 mortes, na do dia 28 de junho ao dia 4 de julho, 1.733, e na do dia 21 de junho a 27 de junho, 1.760.

O balanço de mortes semanal é importante para avaliar o avanço da doença pois há uma variação muito grande dos registros de um dia para o outro. Os novos casos e mortes diários são contabilizados de acordo com o registro no sistema, e não com o dia em que ocorreram.

O governo estadual iniciou a flexibilização gradual da quarentena em 1º de junho, antes que houvesse queda sustentada de novas mortes ou casos confirmados da doença, o que não é recomendado por especialistas. Especialistas avaliam que a reabertura do comércio, que já teve início em diversas regiões do estado e causou aglomerações em diversas cidades, pode fazer com que os registros de casos e mortes aumentem.

Mortes por Covid-19 por semana em São Paulo — Foto: Arte G1

Mortes por Covid-19 por semana em São Paulo — Foto: Arte G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

nove − seis =