A Operação Revoada, que se baseia em uma denúncia da força-tarefa da Lava Jato em São Paulo foi deflagrada nesta sexta-feira (03) e investiga um suposto esquema de lavagem de dinheiro no exterior que favorecia políticos. A Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao senador José Serra (PSDB-SP).

A PF cumpre oito mandados de busca e apreensão em São Paulo e no Rio de Janeiro. Ainda não há informações sobre mandados de prisão sendo cumpridos.

Clique aqui para ler íntegra da denúncia.

A denúncia aponta que Serra teria se aproveitado de seu cargo e influência política para receber pagamentos indevidos da empreiteira Odebrecht. Em troca, concederia benefícios relacionados às obras do Rodoanel Sul. As manobras teriam acontecido entre 2006 e 2007.

A Odebrecht teria pago milhões de reais por meio de uma rede de empresas no exterior, para que os nomes das pessoas beneficiadas não fossem detectados pelos órgãos de controle.

A filha de Serra, Verônica, e o empresário José Amaro Pinto Ramos teriam constituído empresas no exterior, ocultando seus nomes, para poder receber os pagamentos destinados a Serra. De acordo com o MPF (Ministério Público Federal), Ramos e Verônica transferiram o dinheiro para dissimular sua origem.

Com as provas colhidas até o momento, o MPF obteve autorização na Justiça Federal para o bloqueio de cerca de R$ 40 milhões em uma conta na Suíça.

José Serra é um dos caciques do PSDB. Foi prefeito de São Paulo de 2005 a 2006 e governador do Estado de 2007 a 2010. No governo do ex-presidente Michel Temer (MDB) foi ministro das Relações Exteriores e deixou o cargo em 2017. Atualmente é senador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

nove − 2 =