O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentou nesta 2ª feira (15.jun.2020) ao STF (Supremo Tribunal Federal) pedido de prisão contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub. O pedido (168 KB) foi feito ao ministro Alexandre Moraes, relator do inquérito das fake news.

Além da prisão temporária ou preventiva de Weintraub, Randolfe pede o seu afastamento imediato do cargo, a apreensão de celulares e computadores, a quebra do sigilo de dados e a tomada de depoimento do ministro.

“Esperamos que a mesma coragem que ele tem cercado por apoiadores também tenha diante da Justiça”, afirmou Randolfe pelo Twitter. Para o senador, o ministro da Educação tem que explicar as declarações feitas na reunião ministerial de 22 de abril, quando disse que “colocaria esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF”.

No documento enviado ao STF, Randolfe atribui ao ministro “desprezo profundo” pela Corte e pelos seus ministros e diz que a conduta da reunião foi repetida no domingo (14.jun), em manifestação de apoio ao presidente da República, Jair Bolsonaro, e contra os demais Poderes. “Tais demonstrações graves de descaso pela democracia, pela diversidade, pelos Poderes Constitucionais não merecem prosperar, sendo necessária a atuação dos órgãos de controle”, argumenta.

Para o senador, algumas condutas de  Weintraub se enquadram como crimes de responsabilidade e até mesmo como crimes previstos na Lei de Segurança Nacional, como tentar impedir​ o livre exercício de qualquer dos Poderes da União ou dos Estados​ e fazer propaganda de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social​.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dezessete − um =