Uma cena inusitada foi registrada na sessão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) na última quinta-feira (4). Por um descuido, o procurador Paulo Prado esqueceu o microfone ligado enquanto o advogado Bruno Boaventura estava com a palavra e soltou um pum. Por duas vezes.

O barulho, imediatamente, fez com que o advogado parasse de falar, mas logo voltou e encerrou sua fala.

Após a cena, o procurador pediu a palavra ao desembargador Márcio Vidal e pediu perdão pela “deselegância”. “Teve dois momentos que eu me descuidei com o microfone. Se, por acaso, eu fui deselegante ou causei mal estar, queiram me perdoar, por favor”, disse.

O desembargador, por outro lado, minimizou o fato ao afirmar que todos são humanos e que os desembargadores estão exercitando uma nova forma de julgamento. Ele também pediu maior atenção ao microfone, para quando terminar de falar, desativá-lo.

“Nós temos sempre que ter a preocupação com o microfone. Ainda não se chegou a um aperfeiçoamento do próprio sistema em questão de conexão, de nitidez do áudio. Então quando um estiver com a palavra, por gentileza, fecha os microfones”, disse Vidal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dez − 8 =