A Comissão de Ética Pública da Presidência determinou, nesta terça-feira (2), que o ex-ministro da Justiça Sergio Moro cumprirá a chamada “quarentena remunerada”. Durante seis meses, Moro receberá salário de ministro, que gira em torno de R$ 30 mil, e não poderá trabalhar como advogado.

O ex-ministro, no entanto, poderá exercer trabalhos acadêmicos, como dar aulas e escrever artigos.

De acordo com lei que trata do conflito de interesse no serviço público, um ex-ministro ou ex-agente público do alto escalão do governo federal deve ser submetido a uma quarentena remunerada por seis meses antes de exercer uma atividade no setor privado onde possa fazer uso de informações privilegiadas.

O mesmo aconteceu com o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta. Ele aguardava decisão do governo para assumir um cargo oferecido pelo DEM para atuar como consultor de saúde para governadores e prefeitos durante a crise. Por causa da quarentena remunerada, Mandetta não pode aceitar o convite.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

cinco + dois =