Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

No enfrentamento à pandemia de covid-19, a Unimed João Pessoa tem investido em soluções inovadoras para tratar os pacientes infectados com o novo coronavírus internados no Hospital Urquiza Wanderley, rede própria da Cooperativa, referência em alta complexidade e preferencial para casos de covid-19.

Além de ser pioneira na Paraíba no uso de plasma de recuperado pacientes com covid-19, a Unimed JP realizou outro procedimento inovador no Norte/Nordeste em pacientes infectados: uma técnica de fisioterapia que utiliza cateter nasal de alto fluxo, um tipo de oxigenoterapia feita de forma não invasiva.

Os benefícios do uso do cateter nasal de alto fluxo são muitos para o paciente com covid-19. Realizado no apartamento, a partir do momento da internação, o tratamento diminui a possibilidade de a pessoa ser transferida para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Além disso, o cateter nasal é mais confortável do que uso de máscaras e capacetes, com risco muito menor de qualquer tipo de contaminação. “Somos o primeiro hospital no Norte/Nordeste a utilizar essa técnica, com este tipo de tecnologia nos pacientes suspeitos e confirmados de Covid 19. É um tratamento inovador adotado pela Unimed JP que traz mais um benefício para os clientes que necessitam de cuidados nesse momento” destacou o coordenador do Núcleo Estratégico de Enfrentamento à Covid-19 da Unimed João Pessoa, Petrucio Sarmento.

Ele acrescentou ainda que a Unimed JP tem se destacado pela inovação e tecnológica usadas no tratamento da covid-19. “É uma tecnologia de ponta, inovadora no Norte/Nordeste e realizada nos grandes hospitais do Brasil”, afirmou.

Como funciona – O cateter nasal é utilizado para administrar oxigênio de alto fluxo em pacientes. Seu uso é simples e permite que a pessoa mantenha suas atividades diárias, como falar e comer, sem dificuldades. Em uma decisão conjunta, as equipes médica e de fisioterapia do Hospital Alberto Urquiza identificam os pacientes que apresentam indicação para o uso do cateter nasal de alto fluxo. A partir daí, cabe ao fisioterapeuta a aplicação do cateter e monitoramento do paciente.

De acordo com a fisioterapeuta Danielle Tavares, estudos no Brasil e no mundo já indicam a técnica como segura aos profissionais, inclusive com evidências de disseminação de aerossol (partículas contaminadas que ficam suspensas no ar) menor que em outras formas de oxigênio convencional. “É uma tentativa de os pacientes com covid-19 não evoluírem para intubação, e de facilitar uma recuperação mais rápida. Além de ser uma técnica não invasiva ao paciente, é mais confortável e permite que ele se comunique e fique acordado ajudando no seu tratamento”, destaca Danielle Tavares.
Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

três × um =