Após determinar, contra recomendações médicas e comprovação cientifica da eficacia do medicamento, a elaboração de um protocolo para o uso irrestrito da cloroquina no tratamento da Covid-19, situação que provocou mais uma crise em seu governo com a demissão do segundo ministro da Saúde em menos de 30 dias, o presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar a classe e repercutiu, neste sábado (16), de forma negativa o uso da substância.

Em um post no Twitter, ele compartilhou a declaração de um procurador da República chamado Ailton Benedito. A frase compartilhada por Bolsonaro, postada em 13 de abril no Twitter de Ailton, diz que “um dos efeitos colaterais da cloroquina, remédio baratíssimo, é prevenir a corrupção”.

O procurador é crítico ferrenho do isolamento social como medida contra a disseminação do vírus e forte defensor do uso da cloroquina. Nelson Teich deixou o ministério da Saúde nesta sexta-feira 15 alegando que não iria manchar sua biografia por conta da cloroquina, principal tema de embate entre ele e o presidente.

Confira:

 

11,9 mil pessoas estão falando sobre isso

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

doze − seis =