A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) admitiu ter apagado uma mensagem enviada ao ex-ministro da Justiça Sergio Moro sobre uma possível queda de Jair Bolsonaro (sem partido) da presidência do Brasil, caso o ex-juiz deixasse o cargo – o que acabou acontecendo em abril.

Em troca de mensagens em um aplicativo, a deputada tenta convencer o então ministro a ficar no cargo e afirma que Bolsonaro iria “cair se o senhor sair”. Zambelli afirma que se arrependeu e apagou a mensagem antes de divulgar a conversa à CNN, em abril. A TV Globo mostrou a troca de mensagens completa.

“Tinha um contexto, que ele não apresentou, não entrou no depoimento. Ele vazou agora para me constranger. Para mostrar que eu apaguei. E eu apaguei porque eu me arrependi de ter escrito”, disse Carla, ao jornal O Globo.

Ontem, Bolsonaro afirmou que Zambelli não estava autorizada a falar em seu nome, no momento de tensão em que a deputada tentou demover Moro da ideia de deixar o ministério e expor suas acusações de que o presidente tentava interferir na Polícia Federal.

Moro é padrinho de casamento de Zambelli. De acordo com a deputada, eles não conversaram desde toda a crise política e foi bloqueada por Moro no WhatsApp.

“Eu mandei mensagem para ele dizendo que era um absurdo a situação na qual ele tinha colocado o presidente, que estavam comparando a nomeação do Ramagem (diretor da Polícia Federal) com o Lula. Com a nomeação de um condenado. E aí ele leu a mensagem e me bloqueou. Não foi uma conversa”, afirmou ela.

A deputada, na entrevista ao O Globo, concluiu fazendo ameaças a Moro, de que pode vazar conversas íntimas com o ex-ministro. “Criança, né? Carla Zambelli deseja que Moro deixe de ser criança. Vai arrumar alguma coisa para fazer. Pelo amor de Deu

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

8 + 18 =