O Uber anunciou nesta quarta-feira, 6, que vai cortar cerca de 3,7 mil funcionários da empresa e que o presidente executivo Dara Khosrowshahi renunciará ao seu salário base pelo restante do ano. As demissões representam aproximadamente 14% das vagas da empresa.

Com a pandemia de coronavírus e a diminuição das atividades no aplicativo, Khosrowshahi disse para investidores, em março, que a empresa estava projetando um cenário que queda de 80% no volume de viagens.Na última quarta-feira, 29, mesmo dia em que Thuan Pham, veterano diretor de tecnologia deixou a empresa, o site americano The Information havia informado que o Uber podia demitir até 20% de seus funcionários, em uma tentativa de segurar os gastos.

A empresa disse que as demissões incluem equipes de suporte e captação de clientes e que serão gastos cerca de US$ 20 milhões em custos de indenizações e encargos relacionados.  O presidente da empresa também renunciou a seu salário, para tentar estancar as baixas por conta da crise. Em 2019, Khosrowshahi ganhou cerca de US$ 1 milhão, embora a maior parte do valor esteja em bônus e e prêmios em ações da empresa.

Em um email enviado por Khosrowshahi aos funcionários, o presidente da empresa afirma que os esforços de seus empregados foi fundamental para a construção do Uber, mas que ajustes difíceis são necessários. “Estamos analisando muitos cenários e todos os custos, variáveis ​​e fixos, em toda a empresa. Queremos ser inteligentes, agir rápido, reter o maior número possível de pessoas importantes e tratar a todos com dignidade, apoio e respeito”, explicou no comunicado.

Segundo análise da corretora Wedbush Securities, o corte é necessário para a sobrevivência da empresa, que pode enfrentar ainda mais quedas nos serviços no pós-pandemia e nos protocolos de comportamento que serão adotados como “novo normal”.

“Com motoristas e clientes provavelmente obrigados a usar máscaras durante passeios e preocupações com ocupantes anteriores de veículos, há um segmento da população que não usará mais esses veículos”, afirma o analista Dan Ives, em nota enviada a investidores. “Com base em nossa visão/análise e levados em consideração em nossos modelos atuais, estamos assumindo em um cenário mais draconiano que aproximadamente 30% da receita da gig economy (a economia dos “bicos”) desaparecerá nos próximos um ou dois anos e uma parcela nunca retornará”.

Entretanto, mesmo com o cenário de demissão, o The Information reportou nesta quarta-feira, 5, que o Uber está envolvido em negociações para liderar um financiamento de US$ 170 milhões na Lime, empresa de patinetes compartilhados./COM REUTERS.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dez − quatro =