Trabalhadores brancos tiveram em 2019, no estado, um rendimento médio de R$ 2.111, cerca de 54,8% maior que o das pessoas pretas, que foi de R$ 1.363, com uma diferença de R$ 748. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), divulgados pelo Instituto Brasileiro de geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (6).

Em relação às pessoas pardas, que receberam em média R$ 1.406, o rendimento dos trabalhadores que se declararam brancos foi 50,1% maior, com uma diferença um pouco menor entre os ganhos dos grupos, de R$ 705.

Homens ganharam quase 13% a mais que mulheres na Paraíba em 2019

Os homens tiveram um rendimento médio mensal 13% maior do que o das mulheres em 2019, na Paraíba, de acordo com o levantamento. Na média do país, a diferença foi de 28,7%. A pesquisa considerou o trabalho de todas as pessoas de 14 anos ou mais.

O rendimento médio mensal no estado como um todo foi de R$ 1.629, ficando abaixo do constatado para o Brasil, de R$ 2.308, mas acima da média da região, de R$ 1.588. No entanto, enquanto os trabalhadores paraibanos do grupo masculino receberam, em média, R$ 1.708, as mulheres ganharam R$ 1.512.

Diferenças salariais por nível de instrução

O nível de instrução também apresentou um peso considerável, uma vez que os trabalhadores com nível superior completo, com um rendimento médio de R$ 3.926, ganharam aproximadamente 6,5 vezes o valor que receberam aqueles sem instrução, R$ 603.

O rendimento dos trabalhadores com nível superior equivale ainda a cerca de 2,8 vezes a quantia recebida pelos trabalhadores com ensino médio completo, de R$ 1.373.

Já entre os grupos de idade, o menor rendimento médio mensal real, de R$ 489, foi observado para a população de 14 a 17 anos, enquanto o maior foi identificado para a faixa-etária de 40 a 49 anos, de R$ 2.039.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

14 + 1 =