O malfadado nós contra eles está de volta e a nova nova roupagem em manequim de ‘direita’ guarda sintonia e praticamente o mesmo modus operandi do lulopetismo, precursor da estratégia que tanto tem espalhado intolerância, ódio e até rancor entre brasileiros e brasileiras daqui e de acolá. O ambiente do “nós contra eles”, criado por Lula e o petismo, contaminou o debate político, hoje eivado de radicalismos e pendores autoritários. O Brasil, no entanto, só resolverá suas mazelas se trilhar o caminho do equilíbrio e da pacificação. 

Bolsonaro não é esse caminho e tem deixado claro que seguirá a receita de seus adversários mais renhidos para manter-se firme no propósito de criar divisionismos para continuar governando, sobretudo agora em que o pilar do combate à corrupção, tão ferrenhamente defendido antes e durante à última campanha presidencial, ruiu com a conturbada saída do ex-juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, que deve ser um duro adversário do Presidente da República pelos próximos anos, a conferir.

A estratégia divisionista bolsonarista parece que começa a ser percebida pela sociedade. Ontem, em meio ao furor de atos em defesa de Bolsonaro e seu governo, fui alertado pelo ativista político paraibano Maurício Renato, do Movimento Renovação Patriótica, que observou semelhança nos movimentos adotados pelo presidente e seus apoiadores nos dias e semanas subsequentes às saídas de Luís Henrique Mandetta (Saúde) e Sérgio Moro (Justiça e Segurança).

Bolsonaro demite Mandetta no dia 16 de abril e no final da mesma semana seguinte chama atos de rua usando como pano de fundo o “desrespeito à constituição” e “intromissão dos poderes”, naquele momento fixando as baterias contra o legislativo, em especial na direção de Rodrigo Maia (Câmara) e Davi Alcolumbre (Senado). Agora, com a demissão de Moro, Bolsonaro convoca uma nova manifestação, alegando ser espontânea, mas voltada ao poder Judiciário, que o contrariou no impedimento da nomeação de Alexandre Ramagem para PF.

Com a popularidade cada vez mais em baixa, Bolsonaro já sabe que terá de se agarrar aos soldados mais fiéis de sua ‘tropa’. Daqui em diante, cada vez mais usará e abusará de retóricas de campanha na tentativa de conter o estouro da boiada em seu eleitorado, porque, do contrário, não terá ninguém para defendê-lo, muito menos o centrão, com quem ensaia subir ao altar em “nome da governabilidade”.

O desrespeito com o lado oposto e a intolerância com a divergência política não nasceram com Bolsonaro. A rejeição da convivência pacífica diante do pluralismo ideológico e político vem sendo pregada e alimentada há muito tempo.

Alerta-se agora para o risco – real, deve-se reconhecer – da ‘normalização da violência’ contra enfermeiros, jornalistas e quem mais pense diferente de quem se acha acima das próprias leis. A tolerância com a violência, como se ela fosse consequência inexorável do atuar político, não guarda diferença entre o lulopetismo e o bolsonarismo, porque para ambos os fins justificam os meios.

A verdade é que o bolsonarismo cada vez mais se parece com o lulopetismo. Quem não lembra o ‘exércioto de Stédile’? Pois bem, agora, o bolsonarismo se prepara para a ‘guerra’. Os soldados foram escalados a ocupar a Praça dos Três Poderes não pra defender o Palácio, mas para atacar os pilares da democracia. Acuado pelas denúncias de do ex-ministro Sérgio Moro envolvendo ele e seus filhos, o presidente faz uma jogada de alto risco. Para mim, mais um blefe, assim como tantos foram feitos pelos petistas ao longo de quase 15 anos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

4 × 5 =