O Núcleo de Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) vai mapear a evolução da Covid-19 na Paraíba. A ideia é identificar as regiões que oferecem mais riscos e, assim, planejar políticas de saúde e medidas sanitárias para atenuar os efeitos da transmissão da doença.

O primeiro mapa elaborado pelos pesquisadores compara áreas com maior concentração de idosos (grupo de risco) e com mais casos confirmados. A iniciativa conta com a coordenação dos professores da UFPB Andréa Porto Sales e Eduardo Viana.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, os bairros que registram os maiores números de casos confirmados da doença são Manaíra (três), Miramar (dois), Altiplano (dois), Jardim Cidade Universitária (dois), Bancários (dois) e Mangabeira (dois). Além deles, há registros no Aeroclube, Treze de Maio, Tambaú, Tambauzinho, Torre, Cristo Redentor, Jardim Oceania, Geisel e Funcionários.

Desses bairros, segundo dados do núcleo da UFPB, Cristo, Treze de Maio, Manaíra e Tambaú apresentam altas concentrações de pessoas idosas. Jaguaribe ainda não registrou caso confirmado.

Segundo o coordenador do núcleo da UFPB, professor Henrique Menezes, serão analisados, nos mapeamentos, infraestrutura em saúde, dinâmica da disseminação do coronavírus e indicadores socioeconômicos e demográficos. “Será um espaço de convergência e compartilhamento de conhecimentos, informações e dados, buscando complementar estudos científicos”, destaca.

Para a professora Andréa Porto Sales, a subnotificação dos casos na América do Sul tem sido um elemento comum e revela que a privação de assistência à saúde é uma questão de classe e regional.

“João Pessoa tem cerca de 800 mil habitantes. Se 10% tiverem Covid-19, serão 80 mil infectados. Caso 5% dos infectados necessitarem de cuidados especiais, serão 4 mil pessoas. Mas, hoje, em João Pessoa há apenas 322 leitos de UTI, com 200 no sistema público e 122 na rede privada. Isso desnuda a lógica de operacionalização da oferta de serviços de saúde no território sul-americano”.

A professora Andréa afirma que o estudo na UFPB vem analisando a infraestrutura da rede de saúde do estado, de cidades como João Pessoa e Campina Grande.

“Por meio de análises espaciais, georreferenciadas, é possível identificar territórios mais vulneráveis à disseminação da Covid-19. Com populações em condições sociais precárias e propícias para a disseminação do novo coronavírus, além de assistidas por um sistema de saúde mais fragilizado”, argumenta.

Análises dessa natureza são fundamentais, conta a professora Andréa, para o planejamento de políticas de saúde. “E de medidas sanitárias que possam diminuir os efeitos da transmissão da doença”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

cinco + seis =