Foto: reprodução

O governo federal lançou a campanha “O Brasil não pode parar” nas redes sociais. A ação publicitária custou R$ 4,8 milhões –com dispensa de licitação–, conforme reportagem do Poder360 mostrou nesta 5ª feira (26). A peça reforça mensagens pregadas nos últimos dias pelo presidente Jair Bolsonaro, que critica a paralisia da economia em nome do isolamento social para prevenção à covid-19 (doença causada pelo coronavírus).

O vídeo criado para a campanha (assista mais abaixo esta reportagem) acompanha 1 texto que destaca o baixo índice de fatalidade dos pacientes jovens infectados pela covid-19 e incentiva os brasileiros a retornarem às suas rotinas.

No mundo todo, são raros os casos de vítimas fatais do #coronavírus entre jovens e adultos. A quase-totalidade dos óbitos se deu com idosos. Portanto, é preciso proteger estas pessoas e todos os integrantes do grupo de risco, como todo cuidado, carinho e respeito. Para estes o isolamento. Para todos os demais, distanciamento, atenção redobrada e muita responsabilidade. Vamos, com cuidado e consciência, voltar à normalidade”,  diz publicação compartilhada no Twitter pelo governo federal.

Assista à campanha abaixo (1min47seg):

R$ 4,8 MILHÕES SEM LICITAÇÃO

Para executar a campanha, o governo federal contratou por R$ 4.897.855,00, com dispensa de licitação, a agência de publicidade iComunicação para “disseminar informações de interesse público à sociedade”. Consta no DOU (Diário Oficial da União) desta 5ª feira (26.mar.2020). A empresa abriu em 2002 e tem capital social estimado em R$ 250 mil, de acordo com a Receita Federal. Ocupa 6 salas de 1 prédio empresarial no Setor de Autarquia Sul, em Brasília.

Consta no DOU a contratação de agência de publicidadeReprodução

A contratação foi assinada pela secretária de Gestão e Controle, Maria Lúcia Valadares e Silva, e pelo secretário especial de Comunicação Social, Fabio Wajngarten, na última 3ª feira (24). O Poder360 procurou a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social), mas não obteve resposta. O espaço continua aberto.

O ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), a quem a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) está subordinada, autorizou Wajngarten na última 2ª feira (23)  “a celebrar a contratação emergencial de serviços de planejamento, desenvolvimento e execução de soluções de comunicação digital”, de acordo com o DOU da própria 2ª.

“A delegação produzirá efeitos exclusivamente para o procedimento administrativo de contratação emergencial, processo SEI 00170.000322/2020-59”, diz o texto.

Wajngarten ainda nem retornou aos trabalhos depois de ter sido diagnosticado com covid-19, doença do novo coronavírus. Ele tem publicado atualizações diárias sobre seu estado físico em sua conta no Twitter.

ECONOMIA X PREVENÇÃO

Bolsonaro tem minimizado a importância da pandemia de covid-19 há semanas, tendo chamado a enfermidade que já matou mais de 20.000 pessoas em todo o mundo de “fantasia” e acusando a imprensa de estimular “histeria” em relação ao coronavírus.

Na 3ª feira (24.mar.2020), o presidente fez pronunciamento em rede nacional de televisão e rádio no qual criticou governadores e prefeitos que promovem o “confinamento em massa“. O presidente disse que a covid-19 trata-se de uma “gripezinha” e contestou até mesmo o fechamento das escolas, mencionando que a maioria das vítimas da doença está na faixa acima dos 60 anos.

O isolamento social é defendido por autoridades sanitárias do Brasil e do mundo, incluindo a OMS (Organização Mundial da Saúde).

O Ministério da Saúde também endossa o pedido para que as pessoas fiquem em casa, mas o ministro Henrique Mandetta ajustou seu discurso ao do presidente nesta 4ª feira (25.mar). Afirmou que a imposição de quarentena precisa de 1 prazo para ter fim e reclamou que medidas extremas foram tomadas “praticamente no início” do surto.

Apesar das declarações de Bolsonaro e do ministro, os governadores mantiveram a decisão de manter as medidas restritivas e de isolamento social. Em carta assinada por 26 governadores (apenas Ibaneis Rocha, do Distrito Federal, não assinou), os chefes dos governos estaduais pregaram “bom senso, empatia e união” contra a pandemia e convidaram o presidente a “liderar” esse processo em parceria com os governadores.

Ainda na noite de 4ª feira (25.mar.2020), o presidente reclamou de “demagogia” e disse que quem faz “politicagem” neste momento de pandemia é “covarde“. Afirmou também que seu governo está buscando “a dose adequada para combater esse mal sem causar 1 ainda maior“.

COVID-19 NO BRASIL

Esta 5ª feira (26.mar.2020) marcou 1 mês do 1º diagnóstico de covid-19 no Brasil. O país já soma até agora ao menos 2.915 casos e 77 mortes por covid-19, segundo os dados atualizados até as 17h30 desta 5ª pelo Ministério da Saúde.

O secretário-executivo da Saúde, João Gabbardo, disse que não é possível estabelecer uma estimativa de casos e mortes para o próximo mês, mas afirmou que “a precisão é que vamos ter 30 dias muito difíceis”. Gabbardo disse ainda que “provavelmente nós estejamos na fase crítica da pandemia. Nós não vamos começar a reduzir os casos em 30 dias”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

treze + dezessete =