são jooao


João Pessoa, 27 de Fevereiro de 2020.



> NOTÍCIA


Publicado em 14/02/2020 08h48

Número de assassinatos cai 22% na Paraíba em 2019 e é o menor da série histórica

Percentual está no índice nacional de homicídios criado pelo G1. Entre 2011 e 2019 foram 725 mortes a menos.

Ouça o áudio:  Número de assassinatos cai 22% na Paraíba em 2019 e é o menor da série histórica

A Paraíba teve uma queda de 22,1% no número de vítimas de crimes violentos em 2019 em comparação com o ano de 2018. O percentual está no índice nacional de homicídios criado pelo G1, com base nos dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal. Em 2019, foram registrados 942 assassinatos, enquanto que em 2018 o número era 1210.

Seguindo uma série histórica desde 2011, o ano passado teve o menor número de crimes violentos letais intencionais. Há uma diminuição gradativa, observada nesses nove anos de registro. Entre 2011 e 2019 foram 725 mortes a menos.

Série histórica de crimes violentos na Paraíba
Ano de 2019 apresentou o menor número de mortes
Assassinatos20112012201320142015201620172018201980010001200140016001800
Fonte: SEDS

De acordo com Samira Bueno, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, uma política consistente explica essa redução histórica. “Há estados que têm políticas públicas consolidadas de redução e controle da violência que estão aí há 5, 6, alguns há mais de 10 anos reduzindo os homicídios e outros crimes violentos. Podemos olhar para São Paulo, Paraíba, Espírito Santo, Distrito Federal, que vêm de uma queda consistente e que têm políticas públicas que são pautadas no fortalecimento da inteligência, na análise criminal, políticas baseadas em evidências e políticas de segurança que são integradas com as políticas sociais”, diz Samira.

 

O ano de 2019 oscila bastante quando os números absolutos são analisados. O mês mais violento em relação aos assassinatos foi o de novembro, com 87 mortes. Em seguida esteve o mês de fevereiro, com 83 assassinatos, e abril e setembro, com 82 mortes. Os números já são bem menores se avaliados em comparação com o ano de 2018, quando o mês mais violento, que foi o de janeiro, apresentou 128 crimes violentos intencionais.

O levantamento, que compila os dados mês a mês, faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Os dados apontam que:

 

 

Mortes mês a mês na Paraíba em 2019
Mês mais violento foi o de novembro
Assassinatos777783837777828276768080676780808282767687877575JaneiroFevereiroMarçoAbrilMaioJunhoJulhoAgostoSetembroOutubroNovembroDezembro020406080100
Fonte: SEDS

número de feminicídios representa 52% da quantidade de mulheres assassinadas em 2019. Em 2018, esse percentual foi de 40,5%. De acordo com o Núcleo de Análise Criminal e Estatística, foram registrados 84 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) com vítimas do sexo feminino, sendo 34 desses, feminicídios - quatro a menos que no ano de 2019.

 

O ano de 2019 foi violento para as mulheres da Paraíba. O número de 38 feminicídios é superior ao de homicídios dolosos de mulheres, que não têm relação com o gênero, e acertou a estatística de 32 casos. Além disso, os dados também mostram que duas mulheres morreram por latrocínio, quando acontece o roubo seguido de morte, e outra por lesão corporal seguida de morte. No total, 73 mortes.

O mês com o maior número de feminicídios foi o de abril. Além dela, outras cinco mulheres também foram mortas por seus companheiros ou ex-companheiros. Igualando a abril, o mês de outubro também registrou 6 feminicídios. Não houve um mês do ano que uma mulher não tenha sido morta por questões de gênero.

Feminicídios em 2019 na Paraíba
Meses de abril e outubro foram os mais violentos
JaneiroFevereiroMarçoAbrilMaioJunhoJulhoAgostoSetembroOutubroNovembroDezembro01234567

TAGS
    Nenhum resultado encontrado.
Bookmark and Share
Campanha: Carnaval Sem Assédio TV TSPB Rádio TSPB 100.5

Colunistas

Categorias

Facebook

Twitter

Vídeos

Parceiros

    Nenhum resultado encontrado.