FESTIVAL DE ARTES


João Pessoa, 23 de Julho de 2019.



> NOTÍCIA


Publicado em 24/06/2019 18h01

Paulo Preto passou 3,7 milhões de euros ilícitos para advogado, diz Lava Jato

Para o Ministério Público Federal, a transferência foi uma tentativa de dissipar o “patrimônio ilícito” que o ex-diretor da Dersa mantinha no exterior

Ouça o áudio:  Paulo Preto passou 3,7 milhões de euros ilícitos para advogado, diz Lava Jato

Na denúncia que apresentou hoje contra Paulo Preto, a força-tarefa da Lava Jato identificou a transferência de 3,7 milhões de euros que ele mantinha nas Bahamas para uma conta em Lisboa da Santoro Sociedade de Advogados, escritório de que faz parte um de seus advogados.

O sócio da banca é José Roberto Figueiredo Santoro, que defende Paulo Preto no Brasil.

Para o Ministério Público Federal, a transferência foi uma tentativa de dissipar o “patrimônio ilícito” que o ex-diretor da Dersa mantinha no exterior, inicialmente na Suíça e depois no paraíso fiscal do Caribe.

“Em relação às transferências efetuadas em 23/03/2018, 25/05/2018 e 17/01/2019, para o escritório Santoro Sociedade de Advogados, em Lisboa, chama atenção não apenas as datas e circunstâncias em que foram efetuadas (quando Paulo Vieira de Souza já estava sendo investigado em diversos procedimentos), mas também expressivo valor de EUR 3,7 milhões das transferências e o fato de terem sido justificadas, conforme constou nos respectivos swifts (‘loan’), como se fossem empréstimos”, diz o MPF.

O dinheiro saiu de uma conta mantida no Deltec Bank & Trust Limited, em Nassau, que, em 2017, havia recebido 35,2 milhões de francos suíços anteriormente depositados na Suíça, em nome da offshore Groupe Nantes S/A, registrada no Panamá.

Além dos 3,7 milhões transferidos a seus advogados, Paulo Preto também retirou da conta nas Bahamas ao menos mais 2 milhões de dólares em favor de offshores cujos controladores ainda são desconhecidos pela Lava Jato.

As transações embasam um novo pedido do MPF para manter a prisão preventiva de Paulo Preto, sob a justificativa que ele pode continuar cometendo crimes.

“Faz-se necessário não apenas o aprofundamento das investigações em relação aos fatos citados acima, como também, considerando sua novidade e gravidade, tendo em vista que não foram utilizados como fundamento na decisão que decretou a prisão preventiva de Paulo Vieira de Souza, seja decretada uma nova ordem de prisão em seu desfavor.”


TAGS
    Nenhum resultado encontrado.
Bookmark and Share
TV TSPB Rádio TSPB 100.5

Colunistas

Categorias

Facebook

Twitter

Vídeos

Parceiros

    Nenhum resultado encontrado.