Apcef


João Pessoa, 20 de Maio de 2019.



> NOTÍCIA


Publicado em 15/05/2019 13h54

TRIGUEIRO: Suspensão de evento do clima gera imbróglio diplomático

Ao decidir que Salvador não deveria sediar a edição latino-americana e caribenha da Semana do Clima (marcada desde o ano passado para o próximo mês de agosto) o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, atirou no que viu e acertou no que não viu.

Ouça o áudio:  TRIGUEIRO: Suspensão de evento do clima gera imbróglio diplomático

Imagem da internet
 
Ao decidir que Salvador não deveria sediar a edição latino-americana e caribenha da Semana do Clima (marcada desde o ano passado para o próximo mês de agosto) o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, atirou no que viu e acertou no que não viu. Numa tacada, causou um imbróglio diplomático e político que continua reverberando dentro e fora do Brasil.
 
Até o momento o Ministério das Relações Exteriores não se manifestou sobre o assunto. Parece ter sido atropelado por Salles, que não levou em conta o protocolo envolvendo eventos da ONU. Foi o Brasil quem se ofereceu no ano passado para sediar a edição latino-americana e caribenha da Semana do Clima (que ocorreria entre 19 e 23 de agosto), evento totalmente custeado pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) com público estimado de aproximadamente 3 mil pessoas, incluindo representações diplomáticas, empresários, políticos, representantes do terceiro setor, etc.
 
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, participa de reunião da Comissão de Meio Ambiente do Senado para apresentar as diretrizes e os programas prioritários da pasta. 27/03/2019 — Foto: Renato Costa/Framephoto/Estadão Conteúdo O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, participa de reunião da Comissão de Meio Ambiente do Senado para apresentar as diretrizes e os programas prioritários da pasta. 27/03/2019 — Foto: Renato Costa/Framephoto/Estadão Conteúdo
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, participa de reunião da Comissão de Meio Ambiente do Senado para apresentar as diretrizes e os programas prioritários da pasta. 27/03/2019 — Foto: Renato Costa/Framephoto/Estadão Conteúdo
 
Até o momento desta publicação, o silêncio do Itamaraty (ou da própria Presidência da República) continua causando desconforto aos representantes das Nações Unidas que aguardam um “posicionamento oficial” do governo brasileiro. Em bom português: o que Salles disse não é suficiente para desarmar o aparato do evento.
 
Outro efeito negativo da manifestação do ministro do Meio Ambiente (que chegou a dizer que não faria o evento na Bahia “para se fazer turismo e comer acarajé”) foi o estremecimento das relações com o Prefeito de Salvador. ACM Netto vem a ser o presidente do Democratas, partido que comanda a Câmara dos Deputados e o Senado Federal. Num momento em que o Governo Bolsonaro precisa do apoio do Congresso para aprovar projetos considerados estratégicos (como o da reforma da Previdência), não é bom negócio agir por impulso, para dizer o mínimo.
 
 
Do Reino Unido, onde encontra-se em viagem oficial, ACM Netto disparou no Twitter que “apesar do cancelamento por parte do governo federal, a Prefeitura de Salvador tem todo o interesse em trazer o evento para a nossa cidade”, e que pediu “ao secretário André Fraga para conversar com os representantes do evento na ONU e ver a possibilidade de mantê-lo em Salvador. A Prefeitura não vai medir esforços para que este evento de repercussão mundial aconteça na primeira capital do Brasil”.
 
Difícil imaginar que baste o interesse de Salvador para que a ONU decida manter o evento na capital baiana, caso Brasília venha a confirmar o veto. Mas o estrago está feito. Quando o assunto é mudança climática, o Governo Bolsonaro dá sinais trocados. Ao mesmo tempo em que se mantém no Acordo de Paris e permite que o ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, diga abertamente que “o país não pode ignorar os alertas da ciência sobre os riscos do aquecimento global”, o Governo corta 95% da verba destinada a combater as mudanças climáticas. Além disso, o ministro Ricardo Salles exonerou dias atrás Alfredo Sirkis da secretaria-executiva do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, entidade criada por decreto federal em 2000 para auxiliar o governo a entender o fenômeno do aquecimento global e definir políticas climáticas, sem orçamento nem cargos remunerador. A saída de Sirkis aconteceu 10 dias depois do Fórum formalizar a adesão de 13 estados brasileir os ao Acordo do Clima num evento na Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firjan). Evento em que o Governo Federal foi convidado a participar mas não enviou representantes.
 
Brasil fica pra trás
Quando o assunto é clima o Brasil está em dívida com a sua história.
 
O 1º Acordo do Clima da história foi celebrado no Brasil há 27 anos, durante a Rio-92. Todos os países concordaram naquele histórico evento que o clima do planeta está mudando, e que a Humanidade contribui para desse fenômeno.
 
Em 1997, no Japão, o Tratado de Kyoto tornava-se o primeiro da história com prazos e metas para a redução dos gases estufa. O Tratado foi destravado graças a diplomacia brasileira, que sugeriu o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. Esse mecanismo (MDL) permitia que os países ricos investissem em projetos de sequestro de carbono em países pobres ou em desenvolvimento, reduzindo custos. O primeiro aterro sanitário financiado pelas regras do mercado de carbono (via MDL) no mundo foi o de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.
 
Em 2015, ao final da Conferência do Clima de Paris - onde cada país apresentou livremente metas e prazos para reduzir suas emissões, inclusive o Brasil - a ministra brasileira Izabella Teixeira foi aclamada pela ONU como uma das negociadoras mais importantes para o desfecho favorável da cúpula.
 
O Brasil é reconhecido internacionalmente com um país de matriz energética limpa e renovável, e um celeiro de soluções inovadoras para a redução dos gases estufa. O programa de incentivo ao uso de biocombustíveis (etanol e biodiesel) é um exemplo. A rápida expansão das energias eólica (já superou Itaipu em capacidade instalada) e solar (mais de 70 mil telhados solares até o momento) também.
 
Outro exemplo de comprometimento do Brasil para o combate ao aquecimento global é o programa ABC (Agricultura de Baixo Carbono) com o desenvolvimento de novas tecnologias para reduzir emissões na pecuária e nas culturas agrícolas. Isso deveria ser motivo de orgulho para o agronegócio.
 
O atual governo despreza os cientistas do clima, humilha diplomatas e negociadores experientes (classificados como “turistas de luxo”) e ignora o posicionamento das empresas que representam a maior parte do PIB industrial do país (já posicionadas em favor do Acordo de Paris).
 
A base de dados que emprega sentido ao atual nível de alerta mundial no enfrentamento das mudanças climáticas aparece no último relatório do Painel da ONU reunindo os trabalhos de 2.330 cientistas (revisados por 143 mil pareceristas). O recado é claríssimo: a hora é de agir!
 
Menos mediocridade, mais ação em favor das múltiplas agendas ambientais, todas elas complementares entre si. Mais respeito com conhecimento construído, com o legado dos que vieram antes, com o futuro dos que ainda virão. Meio ambiente é coisa séria!

Fonte: Da internet
TAGS
    Nenhum resultado encontrado.
Bookmark and Share
Governo Lateral TV TSPB Rádio TSPB 100.5

Colunistas

Categorias

Facebook

Twitter

Vídeos

Parceiros

    Nenhum resultado encontrado.