Apcef


João Pessoa, 20 de Maio de 2019.



> NOTÍCIA


Publicado em 15/05/2019 06h19

Com dados ruins no 1º trimestre, analistas veem queda do PIB e risco de recessão

Números da indústria, do comércio e dos serviços apontam fraqueza da atividade; se a previsão se confirmar, pode ser o primeiro recuo trimestral da economia desde 2016.

Ouça o áudio:  Com dados ruins no 1º trimestre, analistas veem queda do PIB e risco de recessão

 
Dados fracos sobre o desempenho da indústria, do comércio e dos serviços nos primeiros três meses do ano apontam que o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre pode vir negativo. Essa possibilidade de encolhimento da economia é prevista por alguns analistas, e é observada também pelo Banco Central.
 
Nesta terça-feira (14), o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) divulgou a ata de sua última reunião, em que avaliou que existe "probabilidade relevante" de que o PIB tenha registrado um "ligeiro" recuo no primeiro trimestre de 2019. Se isso se confirmar, pode ser a primeira vez que a economia 'encolhe' desde 2016.
 
Os dados oficiais sobre o desempenho do PIB serão divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) no próximo dia 30. Mas os resultados dos principais componentes do PIB já são conhecidos:
 
O setor de serviços teve queda nos três primeiros meses de 2019;
A indústria caiu em janeiro e teve leve alta em fevereiro, até registrar no mês seguinte o pior resultado em seis meses;
As vendas do varejo subiram no acumulado dos três meses, mas sem avanço expressivo.
Os analistas ouvidos pelo G1 atribuem o resultado fraco da economia no começo de 2019 a uma frustração das expectativas por reformas econômicas – o que atrasa decisões de investimentos por parte dos empresários e de consumo para os investidores.
 
“A gente teve um primeiro trimestre de muito ruído, e isso impacta na perspectiva da atividade econômica. A gente vê investidores segurando o freio de mão, segurando o que poderiam colocar na economia”, comenta o economista chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, que comenta ainda o efeito da frustração sobre o consumo.
 
“Se você vai comprar um carro, uma casa, ou até produtos eletrônicos ou de linha branca, são decisões de consumo nas quais você tem que pensar antes. E a perspectiva é que esse consumo vá ser adiado se você tem medo do desemprego.”
 
O economista Roberto Luis Troster também comenta a frustração de expectativas em relação à velocidade das discussões sobre reformas econômicas. “O governo focou em problemas que não eram problemas, como mudar a embaixada de Israel para Jerusalém, enquanto a apresentação da proposta de reforma da Previdência demorou mais de um mês”, diz.


TAGS
    Nenhum resultado encontrado.
Bookmark and Share
Governo Lateral TV TSPB Rádio TSPB 100.5

Colunistas

Categorias

Facebook

Twitter

Vídeos

Parceiros

    Nenhum resultado encontrado.