topo




> NOTÍCIA


Publicado em 06/12/2018 07h25

Toffoli pede a PF e PGR apuração do caso de advogado que abordou Lewandowski em voo

Advogado foi detido após dizer a ministro num voo para Brasília que STF é uma 'vergonha'. Para Toffoli, Lewandowski foi ofendido; Cristiano Acioli diz que usou 'toda a etiqueta necessária'.

Ouça o áudio:  Toffoli pede a PF e PGR apuração do caso de advogado que abordou Lewandowski em voo

 
O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, pediu nesta quarta-feira (5) à Polícia Federal e à Procuradoria Geral da República (PGR) que apurem o caso do advogado que abordou o ministro Ricardo Lewandowski em um voo.
 
Nesta terça (4), o advogado Cristiano Caiado de Acioli foi detido após se dirigir a Lewandowski em um voo de São Paulo para Brasília e afirmar que o Supremo é uma "vergonha".
 
Para Dias Toffoli, Lewandowski foi ofendido e, por isso, o caso precisa ser apurado e os órgãos, tomarem as "providências cabíveis".
 
O ofício de Toffoli é dirigido à procuradora-geral Raquel Dodge e ao ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a quem a PF é subordinada.
 
Nesta terça, o gabinete de Lewandowski divulgou a seguinte nota sobre o caso:
 
"Ao presenciar um ato de injúria ao Supremo Tribunal Federal, o ministro Ricardo Lewandowski sentiu-se no dever funcional de proteger a instituição a que pertence, acionando a autoridade policial para que apurasse eventual prática de ato ilícito, nos termos da lei."
 
Acioli foi detido ao chegar ao Aeroporto de Brasília e levado à Superintendência da Polícia Federal para prestar esclarecimentos.
 
Ao G1, o advogado disse ter tratado Lewandowski "com o pronome devido", usando "toda a etiqueta necessária". "Fiz uma manifestação, é uma essência da Constituição. É um direito básico", afirmou.
 
O ministro Luís Roberto Barroso também estava no voo.


TAGS
    Nenhum resultado encontrado.
Bookmark and Share
Governo Lateral TV TSPB Rádio TSPB 100.5

Colunistas

Categorias

Facebook

Twitter

Vídeos

Parceiros

    Nenhum resultado encontrado.