GOVERNO DA PARAIBA




> NOTÍCIA


Publicado em 15/10/2018 21h35

Com Bolsonaro liderando pesquisas e calmaria no exterior, dólar cai

O mercado operou na expectativa de que a pesquisa Ibope divulgada na noite desta segunda-feira mostrasse um avanço do candidato Jair Bolsonaro (PSL) sobre Fernando Haddad (PT)

Ouça o áudio:  Com Bolsonaro liderando pesquisas e calmaria no exterior, dólar cai

O dólar seguiu a tendência da última semana e operou em queda nesta segunda-feira (15), fechando o dia cotado a R$ 3,7383, com um recuo de 1,01% frente ao real. O que ajudou a queda foi o bom humor do mercado em relação às eleições e o ambiente externo menos agitado.

O mercado operou na expectativa de que a pesquisa Ibope divulgada na noite desta segunda-feira mostrasse um avanço do candidato Jair Bolsonaro (PSL) sobre Fernando Haddad (PT) na corrida pela presidência da República, o que foi confirmado. Segundo o levantamento, o presidenciável do PSL tem 59% das intenções de voto, contra 41% do petista.

Ao longo do processo eleitoral, o mercado se aproximou de Bolsonaro por acreditar que o capitão reformado tem um viés mais reformista que o do candidato petista. Tanto que, após o primeiro turno, que trouxe o nome do PSL na frente, os ativos brasileiros tiveram dias de euforia.

No exterior, um cenário mais calmo que na semana passada, que foi marcada por uma forte aversão ao risco, levou o dólar a operar em queda comedida em relação à maior parte dos emergentes. A moeda americana tinha recuo em relação à lira turca, ao rublo russo e ao peso chileno. E operava estável em relação ao peso mexicano e à moeda argentina. A moeda tinha queda de 0,14% também em relação à uma cesta de moedas fortes.

 

Também contribuiu para o enfraquecimento da divisa americana dados de vendas no varejo abaixo do previsto. Ao contrário do esperado – uma alta de 0,7% -, as vendas no varejo americano avançaram 0,1% em setembro ante agosto. Com isso, diminui a especulação de que dados mais fortes da economia americana (como os divulgados na semana passada) possam forçar o Federal Reserve (banco central dos EUA) a acelerar o aumento nos juros daquele país.

*Com Estadão Conteúdo


TAGS
    Nenhum resultado encontrado.
Bookmark and Share
Assembleia TV TSPB Rádio TSPB 100.5

Colunistas

Categorias

Facebook

Twitter

Vídeos

Parceiros

    Nenhum resultado encontrado.