cagepa


João Pessoa, 24 de Junho de 2019.



> NOTÍCIA


Publicado em 20/07/2018 15h14

WhatsApp e bilhetes na privada: os descuidos que colocaram na berlinda 75 membros do PCC

O perfil de Rodrigo Candido da Silva no Facebook indicava que, apesar da pouca idade, o jovem de 19 anos ocupava um cargo de chefia em sua empresa.

Ouça o áudio:  WhatsApp e bilhetes na privada: os descuidos que colocaram na berlinda 75 membros do PCC

Imagem da internet

O perfil de Rodrigo Candido da Silva no Facebook indicava que, apesar da pouca idade, o jovem de 19 anos ocupava um cargo de chefia em sua empresa. A firma para a qual ele prestava serviços pode ser considerada uma multinacional, com presença em ao menos três países e todos os Estados brasileiros. Sem receio de ser preso, Silva se autodenominava na rede social “gerente-geral na empresa PCC”, o Primeiro Comando da Capital, facção criminosa originada em São Paulo que estendeu seus tentáculos para todo o Brasil e para o exterior. Ele acabou morto por comparsas no interior de Minas Gerais, acusado de ter traído o grupo e se unido aos rivais do Comando Vermelho.

O caso consta na denúncia apresentada pelo Ministério Público de São Pauloapós a Operação Echelon, que no início do mês passado mirou 75 supostos integrantes da facção criminosa em 14 Estados. Nas 569 páginas do documento fica nítida a tentativa do PCC de criar métodos para se comunicar com os integrantes que estão atrás das grades, com auxílio das ferramentas criptografadas disponíveis no mercado. De bilhetinhos de papel a arquivos armazenados na nuvem, passando por grupos e perfis nas redes sociais, a facção tenta como pode driblar as limitações impostas pelos muros dos presídios.

Enquanto alguns integrantes, como Silva, dão bandeira nas redes sociais, outros pisam na bola na hora de usar aplicativos de comunicação. Uma das denunciadas, Flávia Magalhães Monteiro, acusada de ser pombo correio do PCC –função que envolve receber e repassar mensagens de integrantes da facção que estão presos –teve um telefone celular apreendido pelas autoridades. Os investigadores não tiveram muito trabalho para confirmar seus laços com o grupo: bastou abrir o WhatsApp do aparelho para verificar que ela integrava um grupo com o sugestivo nome “Sintonia do 1533 - PCC”. O número faz menção às posições das letras P e C no alfabeto, e sintonia é o nome dado pela facção aos seus diversos grupos de atuação. Lá, protegida pela criptografia do aplicativo, Monteiro repassava mensagens recebidas de seu companheiro Noaby Vinícus Silva Souza, vulgo Terrorista, integrante da facção preso na Unidade Prisional de Morrinhos, em Goiás - e também denunciado na operação. Com o confisco do telefone a polícia e o MP tiveram acesso a uma lista de números de celular de suspeitos.

Outra integrante do grupo, Roseli Maria de Azevedo usava um método mais sofisticado de troca de informação com seus superiores na facção. De acordo com o MP, cabia a ela realizar pagamentos em nome do PCC. Ao invés de guardar os comprovantes, listas de contas-correntes, telefones, codinomes e outras informações relevantes em papel, ela fotografava os documentos e os guardava no sistema de armazenamento digital em nuvem Dropbox. Com este método gratuito as informações “podem facilmente ser acessadas de qualquer lugar por outros integrantes da organização criminosa (especialmente por aqueles a quem a denunciada deveria prestar contas)”, escreve o promotor Lincoln Gakiya, que assina a denúncia da Echelon. Além disso, na conta de email usada por Azevedo foram encontradas várias mensagens com teor de cunho criminal, dentre elas uma “Cartilha de conscientização união e família (sic)”, onde ela relata os objetivos do PCC e “propaga o ódio aos órgãos de segurança pública”, diz o promotor.

Imagem de grupo de WhatsApp do PCC em celular apreendido.
Imagem de grupo de WhatsApp do PCC em celular apreendido.

Bilhetes "pescados" na privada

Apesar do uso cada vez mais intensivo de telefones celulares e outros recursos tecnológicos, bilhetes de papel e cartas ainda são um dos principais meios de comunicação dos integrantes do PCC presos com seus comparsas na rua. Eles entram e saem das penitenciárias levados por parentes ou advogados, e por seu tamanho diminuto são de fácil ocultação. Após serem lidos, são picados e terminam dentro da privada. Para ter acesso a este material, por onde são transmitidas ordens que vão de assassinatos à venda de drogas, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP instalou telas de arame nos dutos da rede de esgoto da penitenciária II de Presidente Venceslau.

Assim “foi possível apreender e recuperar fragmentos de cartas dispensadas pelos presos”, diz a denúncia. Os pequenos fragmentos de papel foram desinfetados, secos e separados de acordo com a caligrafia. Depois de montar o quebra-cabeça, as autoridades cruzaram a letra das missivas com a dos prontuários de presos da unidade. Com base nesse material foram denunciados sete integrantes de alta hierarquia do PCC.

A reportagem não conseguiu entrar em contato com os advogados dos denunciados citados no texto.

 

Fonte: Da internet
TAGS
    Nenhum resultado encontrado.
Bookmark and Share
Governo Lateral TV TSPB Rádio TSPB 100.5

Colunistas

Categorias

Facebook

Twitter

Vídeos

Parceiros

    Nenhum resultado encontrado.