GOVERNO DA PARAIBA




> NOTÍCIA


Publicado em 08/07/2018 12h20

Milhares de coreanas protestam contra vídeos pornôs feitos com câmeras escondidas

A Coreia do Sul tem lutado para conter o aumento das gravações com câmeras secretas nos últimos anos. Em 2010, foram registrados 1.100 casos. Já em 2017, foram 6.500 crimes contabilizados pela polícia.

Ouça o áudio:  Milhares de coreanas protestam contra vídeos pornôs feitos com câmeras escondidas

 
Dezenas de milhares de mulheres se reuniram neste sábado (7) em Seul, capital da Coreia do Sul, para protestar contra o uso de câmeras escondidas. Os equipamentos são colocados em espaços públicos para gravar mulheres sem consentimento. Depois, os vídeos são divulgados como conteúdo pornográfico.
 
Esse foi um dos maiores protestos femininos da história da Coreia do Sul.
 
Embora a distribuição de pornografia seja proibida na Coreia, os vídeos feitos por câmeras escondidas são facilmente encontrados na internet. As organizadoras do protesto disseram que as coreanas vivem com medo de serem gravadas secretamente, sem o seu consentimento.
 
No protesto deste sábado, a maioria era adolescente ou tinha pouco mais de 20 anos - as vítimas que mais aparecem nos vídeos. Elas carregavam cartazes e banners com mensagens como "Minha vida não é um pornô".
 
"Aqueles homens que filmam esses vídeos, aqueles que os enviam, aqueles que os assistem, todos devem ser severamente punidos!", elas cantaram, na manifestação.
 
A organização do protesto pediu às mulheres para cobrirem seus rostos com máscaras, óculos ou chapéus.
 
Segundo as manifestantes, cerca de 55 mil mulheres participaram do protesto (Foto: AFP/GETTY)Segundo as manifestantes, cerca de 55 mil mulheres participaram do protesto (Foto: AFP/GETTY)Segundo as manifestantes, cerca de 55 mil mulheres participaram do protesto (Foto: AFP/GETTY)
As manifestantes disseram que cerca de 55 mil mulheres participaram do ato, embora a polícia calcule o número em cerca de 20 mil.
 
Os recentes protestos começaram depois que a polícia coreana prendeu uma mulher de 25 anos, em maio, depois que ela fotografou secretamente um homem que havia posado nu para estudantes universitários de arte. Ela compartilhou a foto na internet e acabou detida.
 
As manifestantes alegam que a polícia só agiu de forma tão rápida porque a fotografia foi feita por uma mulher. O movimento apontou que centenas de casos com vítimas mulheres foram arquivados pela polícia. A entidade diz ter dificuldade para encontrar os cinegrafistas ou divulgadores dos vídeos porque as imagens normalmente são publicadas na internet por meio de servidores estrangeiros.
 
A lei coreana prevê pena de cinco anos ou multa de R$ 34,7 mil para quem gravar pornografia. Já a divulgação do material pode render uma punição de R$ 104 mil. As manifestantes, no entanto, afirmam que, em muitos casos, quem produz ou compartilha pornografia gravada com equipamento escondido recebe punições mais leves do que a legislação determina.
 
A Coreia do Sul tem lutado para conter o aumento das gravações com câmeras secretas nos últimos anos. Em 2010, foram registrados 1.100 casos. Já em 2017, foram 6.500 crimes contabilizados pela polícia.
 
Desde 2004, o país determinou que os celulares e smartphones devem emitir um ruído alto quando registrar um vídeo ou fotografia. A ideia é que, em caso de gravações escondidas, a vítima consiga reconhecer o som.
 
No entanto, a estratégia não tem dado muito certo: aplicativos conseguem silenciar o celular. Outro problema é que os vídeos também são gravados com câmeras muito pequenas, às vezes escondidas em mochilas, paredes, sapatos e banheiros.
 
O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, afirmou recentemente que esse crime acabou virando "parte da vida diária no país".
 
Na semana passada, ele disse em uma reunião de gabinete que os infratores deveriam "sofrer danos maiores do que os danos que infligem (às vítimas)". Moon Jae-in pediu às autoridades que procurem punições mais fortes, como notificar uma empresa quando um de seus funcionários for divulgador desse material.
 
Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Tony Show não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.
 

 

Fonte: Da Internet
TAGS
    Nenhum resultado encontrado.
Bookmark and Share
Assembleia TV TSPB Rádio TSPB 100.5

Colunistas

Categorias

Facebook

Twitter

Vídeos

Parceiros

    Nenhum resultado encontrado.