cagepa


João Pessoa, 25 de Junho de 2019.



> NOTÍCIA


Publicado em 06/07/2018 08h27

Noiva cancela casamento em Sorocaba ao cair em golpe de suposto trabalho no exterior

Vítima e noivo saíram do emprego e cancelaram a compra de um apartamento para trabalhar no Canadá. Outros cinco boletins de ocorrência sobre o mesmo golpe já foram registrados.

Ouça o áudio:  Noiva cancela casamento em Sorocaba ao cair em golpe de suposto trabalho no exterior

Foi horrível, nunca pensei em passar por uma situação dessas, me senti a pior pessoa do mundo." Este é o relato da noiva Valéria Santana da Silva, de Sorocaba (SP), que cancelou o casamento, a compra de um apartamento, saiu do emprego e perdeu cerca de R$ 5 mil por conta de um golpe aplicado por uma estelionatária, que a prometeu uma nova vida fora do Brasil.

A vítima, de 30 anos, e o noivo, Luciano Carlos Tavares, de 26 anos, souberam da suposta proposta de trabalho por meio de um site de vendas que anunciou a necessidade de pessoas para trabalhar fora do país. A vítima entrou em contato e a responsável pela viagem conversou com Valéria por uma rede social.

"Estávamos com o casamento marcado para o dia 24 de novembro deste ano. Já havíamos dado entrada em um apartamento, mas cancelamos tudo e saímos do emprego quando recebemos a proposta da viagem", disse Valéria.

Ao G1, Valéria contou detalhes do golpe em que caiu, com a esperança de conseguir uma oportunidade de trabalho no Canadá.

Valéria registrou a ocorrência no dia 25 de maio, antes da data de partida da viagem, que ocorreria no dia 27 de junho, pois estava suspeitando da mulher e foi orientada pela Polícia Civil que se pegasse a suspeita em flagrante poderia acionar a PM.

"Ela nos prometeu trabalho no Canadá, em Vancouver. O meu marido ia ser motorista e eu trabalharia no escritório de uma pousada na área de vendas", afirmou.

O casal então marcou um encontro com a suspeita em um shopping da cidade, no dia 6 de maio, quando a mulher contou os detalhes da viagem e informou que o único custo que eles teriam seria referente ao passaporte e o visto.

Os dois depositaram em uma conta informada pela suspeita, em nome de outra pessoa, o valor de R$ 5 mil, R$ 2,5 mil de cada. Valéria conta que chegou a emprestar dinheiro para conseguir a quantia necessária da documentação.

A suspeita informou ao casal que tinha um contato no consulado brasileiro e que essa pessoa iria ajudar a acelerar o processo de emissão do passaporte e visto, mesmo que houvesse a possibilidade do visto ser negado.

As ofertas também eram feitas para as pessoas trabalharem em uma construtora, onde a mulher informava ter cinco sócios. Outra pessoa agia junto com a suspeita e se passava por um encarregado da criminosa, usando fotos de outra pessoa em uma rede social.

"Eu contei sobre a viagem para uma amiga e o irmão dela pesquisou a foto do homem que ela dizia ser sócio e encarregado dela nos EUA. Foi quando descobrimos que o perfil era de um médico, com outro nome".

O grupo com cerca de nove pessoas que iria trabalhar fora do país precisava ir primeiro para o Rio de Janeiro, onde passaria uma semana antes do destino final para fazer a retirada da documentação mais rápido, conforme a vítima.

Eles se encontraram na casa da suspeita, no dia 27 de junho, em um apartamento do bairro Campolim, em Sorocaba, onde foram recebidos pela mãe dela. A partida estava prevista para as 17h, mas o grupo aguardou até as 19h e ninguém apareceu.

O casal continua desempregado e está morando em um apartamento alugado. O dono do imóvel se sensibilizou com a história e permitiu que eles ficassem no apartamento.

Depois da data de encontro da suposta viagem, a mulher não atendeu mais às ligações e não foi encontrada na casa onde morava. Valéria informou que há um grupo de vítimas da mulher em uma rede social, com cerca de 11 pessoas.

Sequência de vítimas

A oferta de $ 40 por hora - cerca de R$ 156,87, conforme cotação na tarde desta quinta-feira (5) - para trabalhar como servente de pedreiro e pintor em Nevada, nos Estados Unidos, também convenceu Rafael Rodrigo dos Santos, de 24 anos, morador de Votorantim (SP), que está desempregado.

 

 

 

O modo como a vítima entrou em contato

com a suspeita foi o mesmo: por meio de um site de vendas na internet que anunciou a tentadora vaga de trabalho fora do país. Ele procurou a mulher, que contou a história da construtora, no dia 7 de junho.

Dessa vez, o encontro foi marcado na casa da estelionatária, o apartamento no Campolim. "Ela me passou um endereço falando que era a casa dela, onde mora a mãe e o filho. Levei minha esposa, meu filho e meu irmão, que é advogado e não desconfiou de nada", explicou Rafael.

A mulher disse que ele só precisaria pagar a documentação e que a passagem de ida e volta era por conta da empresa contratante. Rafael confirmou que a construtora informada pela mulher realmente existia.

Antes de viajar, todos iriam aguardar em um condomínio no Rio de Janeiro até os papéis ficarem prontos. O jovem contou que foi em busca do endereço e da pessoa que iria recebê-los, mas foi informado de que naquele local não havia ninguém com aquele nome, momento em que soube do golpe.

 

 
 

 


TAGS
    Nenhum resultado encontrado.
Bookmark and Share
Governo Lateral TV TSPB Rádio TSPB 100.5

Colunistas

Categorias

Facebook

Twitter

Vídeos

Parceiros

    Nenhum resultado encontrado.